Coceira nas mamas.

A coceira nas mamas é comum e geralmente acontece devido ao aumento dos seios por causa do ganho de peso, ressecamento da pele ou alergias, por exemplo, e desaparece depois de alguns dias.

A coceira nas mamas pode indicar algo sério, a Dra Claudiani Branco recomenda a consulta ao médico sempre que a coceira for persistente. Foto: Valeria Boltneva no Pexels.

No entanto, quando a coceira é acompanhada por outros sintomas, dura semanas ou não passa com o tratamento, é importante ir ao médico para que seja feito o diagnóstico, pois pode significar doenças mais graves, como o câncer de mama, por exemplo.

Principais causas

1. Alergia

A alergia é uma das principais causas de coceira nos seios, uma vez que essa região é sensível e, por isso, facilmente irritada. Assim, sabonetes, perfumes, cremes hidratantes, produtos de lavar roupa ou até mesmo tecido podem desencadear uma reação alérgica, resultando em coceira nos seios.

2. Aumento das mamas

O aumento das mamas devido à gravidez, ganho de peso ou puberdade também podem causar coceira, isso porque a pele estica devido ao inchaço, o que pode resultar em coceira persistente entre ou nas mamas.

O aumento das mamas devido à gravidez é normal devido à produção de hormônios que preparam a mulher para a amamentação. O aumento devido à puberdade também é normal devido às alterações hormonais. No caso do ganho de peso, as mamas podem aumentar devido ao acúmulo de gordura na região.

3. Pele seca

O ressecamento da pele também pode causar coceira na pele, e isso pode ser devido ao ressecamento natural da pele, à exposição prolongada ao sol, banhos com água muito quente ou ao uso de produtos que causam irritação na pele, por exemplo.

4. Doenças de pele

Algumas doenças de pele, como psoríase e eczema podem ter como sintoma a coceira nas mamas. Além da coceira, pode haver vermelhidão local, aparecimento de bolhas na pele, lesões descamativas e inchaço da região, e também pode acontecer em outros locais do corpo, como braços, pernas, joelhos e costas, por exemplo.

5. Infecção

Uma das causas de coceira entre e embaixo dos seios é a infecção por fungos, principalmente da espécie Candida sp., que encontra-se naturalmente no corpo, mas que pode proliferar-se quando o sistema imunológico está comprometido, por exemplo. Além da coceira nas mamas, é comum que exista vermelhidão da região, ardor, descamação e aparecimento de feridas de difícil cicatrização.

A coceira nas mamas devido à presença de fungos é mais comum em mulheres com mamas volumosas, pois a umidade na região causada por suor, por exemplo, ajuda no desenvolvimento do fungo, e em mulheres que estão em fase de amamentação, uma vez que o fungo presente na cavidade oral do bebê pode ser transmitido para o peito da mãe e, na falta de cuidados, pode causar infecção. Além dos fungos, a coceira nas mamas também pode ser devido à presença de bactérias, que podem estar presentes em sutiã sujo, por exemplo.

6. Doença de Paget

A doença de Paget da mama é um tipo raro de alteração na mama e que ocorre com mais frequência em mulheres a partir dos 50 anos. Os principais sinais indicativos da doença de Paget da mama são coceira na mama e no mamilo, alteração da forma do mamilo e sensação de queimação local.

Em casos mais avançados, pode haver ainda comprometimento da pele ao redor da aréola e ulceração do mamilo, sendo importante que o diagnóstico e o tratamento sejam feitos o mais breve possível para evitar complicações. 

7. Câncer de mama

Em casos raros, a coceira nas mamas pode ser indicativo de câncer de mama, principalmente quando acompanhada por outros sintomas, como erupção cutânea, aumento da sensibilidade na região, vermelhidão, aparência de “casca de laranja” na pele da mama e saída de secreção no mamilo, por exemplo. 

Quando ir ao médico

É recomendado ir ao médico quando a coceira é muito intensa, dura semanas e quando a coceira não melhora mesmo com o tratamento adequado. Além disso, é importante consultar o médico quando a coceira vem acompanhada por outros sintomas, como vermelhidão, inchaço da região, aumento da sensibilidade da mama, dor, alteração da pele da mama ou saída de secreção pelo mamilo, por exemplo.

Tem mais dúvidas? Fale comigo através dos canais abaixo:

OUTUBRO ROSA: Qual a relação entre a menopausa e o câncer de mama?

A progesterona e o estrogênio – hormônios produzidos pelos ovários durante todo o período fértil da mulher – estimulam cerca de 60% dos casos de câncer de mama.

A menopausa é caraterizada por uma queda hormonal. No entanto, ela sozinha não contribui para o câncer de mama.

Ainda que a menopausa reduza consideravelmente a produção dos hormônios femininos, isso não significa que a chance do aparecimento do câncer diminua também quando a mulher entra nessa fase.

Na realidade, a maior incidência da doença ocorre após os 40 anos, em um período chamado de perimenopausa.

Para mais dicas como essas, fale comigo:

OUTUBRO ROSA: Mamografia deve ser exame de rotina

Quando você faz a mamografia como parte dos exames de rotina, ela é chamada de mamografia de rastreio. Nesse caso, o seu médico usa os resultados da primeira mamografia para comparar com os resultados dos seus exames seguintes, e assim, ele consegue ter uma visão mais completa e um histórico das alterações nos seus seios.

Entenda os passos dos exames de mamografia e porque cada exame vai ter uma tratativa no combate ao câncer de mama.

Mas, se você percebeu alguma alteração nos seus seios, como caroços, dores, secreções ou alterações no tamanho das mamas, você deve agendar uma consulta com seu ginecologista. Se ele achar necessário, você será encaminhada para uma mamografia de diagnóstico.

Embora seja chamada de mamografia de diagnóstico, é o mesmo exame. Mas, nesse caso, o objetivo é investigar o que pode estar causando as alterações. Mas para que o câncer de mama seja diagnosticado de fato, você também deve fazer uma biopsia no caso de ser detectado algo fora do comum, pois a mamografia não é suficiente para identificar a doença.

Para mais dicas sobre mamografia, veja mais dicas aqui. Caso queira esclarecer outras dúvidas, fale comigo:

OUTUBRO ROSA: Conscientização

Chegou o momento de conscientização do câncer de mama, diagnosticar precocemente aumenta significantemente as chances de cura, 95% dos casos identificados em estágio inicial têm possibilidade de cura.

A conscientização é o caminho mais calmo e controlável na prevenção ao câncer de mama.

O câncer de mama, como o próprio nome diz, afeta as mamas, que são glândulas formadas por lobos, que se dividem em estruturas menores chamadas lóbulos e ductos mamários.

Os seus cuidados preventivos, a conscientização e o investimento em novas pesquisas sobre sobre o câncer de mama ajudam a criar diversos avanços na detecção, diagnóstico e tratamento da doença.

Para maiores esclarecimentos, entre em contato comigo.

OUTUBRO ROSA: A importância da Mamografia

A mamografia é um raio-X da mama feita em um aparelho chamado mamógrafo. Esse exame é capaz de identificar um tumor não palpável (menor do que 1 cm). Quanto menor o tumor, maiores são as chances de cura e diminuição da mortalidade.

A mamografia é um desconforto pequeno, de instantes que pode salvar a sua vida. Entenda a importância da Mamografia na prevenção e detecção do câncer de mama.

Apertar a mama durante o exame é fundamental, pois somente assim terá boa qualidade e permitirá enxergar as lesões bem no início. O desconforto é muito rápido e pode salvar vidas.

Há um outro artigo sobre mamografia que tem mais informações, veja aqui.

Quer mais dicas como essa ou sanar outras dúvidas? Converse comigo.

OUTUBRO ROSA: Sobre riscos de desenvolver Câncer de Mama

Lembre-se sempre, independente do que não podemos mudar, há vários outros fatores que podemos mudar e prevenir o câncer de Mama.

As mulheres, sobretudo a partir dos 40 anos tem maior chance de desenvolver câncer de mama. Alguns fatores não se pode mudar, mas outros dependem apenas de você.

Você não pode mudar:

  • Idade;
  • História familiar;
  • Menstruar cedo;
  • Menopausa tardia;
  • Não amamentar;
  • Não engravidar.

O que depende de você:

  • Sedentarismo;
  • Alimentação irregular;
  • Obesidade e sobrepeso;
  • Bebida alcóolica;
  • Má qualidade de vida;
  • Cuidado com a saúde.

OUTUBRO ROSA: Dicas de hábitos ideais para uma rotina saudável:

Uma lista de hábitos saudáveis da SBM para que você aumente ainda mais a prevenção ao Câncer de Mama.

A SBM – Sociedade Brasileira de Mastologia separou algumas dicas para as mulheres se prevenirem do câncer de mama. Durante esse mês, o Outubro Rosa, vamos falar bastante nelas:

  • Alimente-se bem e não fique muito tempo sem comer, ou seja, prefira comer de três em três horas, em pequenas quantidades, sempre priorizando os alimentos naturais e evitando os alimentos industrializados.
  • Evite o excesso de gorduras e carboidratos simples, como açúcar adicionado aos alimentos, doces, sucos de caixinha ou saquinho, refrigerantes, pão branco, macarrão, sempre preferindo as opções integrais.
  • Procure ingerir proteínas de boa qualidade, principalmente frutas, legumes e verduras por serem fontes de vitaminas e minerais essenciais e ricas em fibras que ajudam na saciedade e no funcionamento adequado do intestino.
  • Pratique exercícios físicos durante a semana. O ideal são 150 minutos de atividades físicas moderadas  ou 75 minutos de atividades vigorosas divididas pelos dias da semana.
  • Planeje o seu dia alimentar e tente segui-lo.

Para mais dicas como essa, entre em contato comigo:

OUTUBRO ROSA: Movimento Quanto Antes Melhor

Neste Outubro Rosa 2020, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) lança o movimento de conscientização QUANTO ANTES MELHOR. A ideia é chamar a atenção das mulheres para a adoção de um estilo de vida saudável no dia a dia, com a prática de atividades físicas e boa alimentação para evitar doenças, entre elas, o câncer de mama.

Quanto antes você se cuidar, mais chance tem de prevenir doenças como o Câncer de Mama.

A SBM quer reforçar que há muita vida após o câncer de mama e que o cuidado com a saúde feminina deve ser olhado com atenção, principalmente neste momento em que o rastreamento e o tratamento foram prejudicados e ainda estão sendo retomados por conta da pandemia de Covid-19.