A importância do zinco nos 9 meses de gestação 

O zinco é um nutriente que pode ser encontrado em alimentos como a carne bovina, os laticínios, os legumes e os cereais não refinados. Importante para a construção de processos biológicos do corpo, ele ajuda no crescimento e desenvolvimento humano, além de colaborar com o sistema imunológico.

De acordo com a diretriz da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o uso de suplementos de zinco, algumas gestantes podem precisar de suplementação, mas ela só é indicada em situações de deficiência, seja por ingestão alimentar inadequada ou por dificuldade para absorção do nutriente.

Como alerta, a deficiência de zinco durante a gravidez está associada a um trabalho de parto prolongado, além de complicações como hemorragia pós-parto, pré-eclâmpsia e até mesmo parto prematuro.

Porém, o nutriente em excesso também pode ser danoso à saúde da futura mamãe. A recomendação da OMS, nesses casos, é não fazer com que a suplementação de zinco seja parte da rotina, mas sim ser optada apenas em ocasiões mais graves, em que a falta do mineral foi identificada.

Além disso, não há comprovação científica a respeito da eficácia da suplementação de zinco ser melhor se feita isoladamente ou com outros suplementos nutricionais, como por exemplo, ferro, ácido fólico e cálcio. E a dosagem do suplemento pode variar de uma gestante para outra. Por isso, a suplementação de vitaminas e minerais deve ser feita com a orientação de um nutricionista e/ou médico.

A indicação para as gestantes é que possam seguir uma dieta equilibrada no dia a dia para que a quantidade de zinco seja suficientemente satisfatória, sem precisar do auxílio da suplementação. Ainda tem dúvidas? Fale comigo pelos canais abaixo:

Os alimentos aliados da saúde intestinal das grávidas 

Muitas mulheres podem vivenciar situações de intestino preso – ou constipação – durante a gestação.  Isso ocorre porque durante essa nova fase de gerar o bebê existe o aumento da produção de alguns hormônios, entre eles a progesterona.

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco fala da saúde intestinal das gravidas.

Uma das funções da progesterona é diminuir os movimentos uterinos (contrações uterinas), evitando aborto e parto prematuro, porém, o aumento da progesterona no sangue pode reduzir a movimentação de outros músculos, como os movimentos peristálticos do intestino, levando à constipação. Além disso, durante a gestação, a necessidade hídrica é maior e se não adequada pela mulher, o consumo insuficiente de água pode tornar as fezes mais secas e difíceis de serem eliminadas.

Para melhorar o quadro de constipação é preciso aumentar o consumo de água e de fibras. Existem dois tipos de fibras, as fibras solúveis que absorvem a água dos alimentos e a água que tomamos como hidratação, ajudando na motilidade do intestino. E as fibras insolúveis, que não absorvem água e que ajudam a formar o bolo fecal. Ambas as fibras são essenciais para a saúde intestinal e são encontras em alimentos integrais, frutas (principalmente em suas cascas), leguminosas, legumes e verduras.

Além disso, é interessante que a mulher dê preferência aos alimentos laxativos, como a ameixa e o mamão. Os probióticos, microrganismos vivos que ingeridos em quantidades adequadas fazem bem à saúde, podem contribuir para a melhora intestinal, mas para terem este efeito é preciso ter uma alimentação saudável e equilibrada.

Apesar de não ter contraindicação em relação à suplementação de probióticos, é indicado que a mulher tenha uma avaliação nutricional ou médica, uma vez que existem diversos tipos de probióticos e com diferentes funções. Quer mais dicas sobre isso? Me contate pelos canais abaixo:

A nutrição pós-parto deve envolver toda a família

Nove meses se passaram, chegou o grande momento de receber o seu bebê e agora todas as atenções e cuidados são para ele. Mas é fundamental que, mesmo que já tenha outros filhos, a mulher tenha uma rede de apoio que entre outras tantas coisas possa também auxiliar na organização das refeições, para que ela possa manter um padrão de alimentação saudável.

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco comenta sobre a nutrição da família pós-parto.

As necessidades nutricionais no pós-parto vão depender se a mulher amamenta ou não, mas em ambas as situações é preciso manter uma alimentação rica em frutas, verduras e legumes, preferir carnes magras, consumir leite e derivados, leguminosas e cereais integrais.

Nesse momento também é importante adequar as necessidades energéticas para que a mulher caso tenha tido um ganho de peso excessivo na gestação, possa adequar seu peso, sem prejudicar a sua saúde.

Durante a amamentação as necessidades são maiores por causa da produção do leite e as demandas de algumas vitaminas também estão aumentadas nessa fase, como é o caso das vitaminas A, B12, B6, C e E.

Além disso, os nutrientes cálcio, ferro e vitamina D, apesar de não apresentarem uma necessidade maior com relação à gestação, são essenciais para a manutenção da saúde materna e do recém-nascido. Vale lembrar que a qualidade da alimentação consumida pela mãe influencia na composição dos ácidos graxos do leite humano assim, devemos incentivar o consumo de gorduras como o ômega 3, que são encontradas nos peixes.

Mas atenção ao consumo de gorduras, especialmente a de origem animal! Embora a quantidade de gordura na dieta materna não interfira nos níveis de colesterol e gorduras presentes no leite, o consumo equilibrado de lipídios faz parte de uma alimentação saudável. Esse consumo não deve ser maior que 30% do valor energético total das refeições do dia, e devemos sempre priorizar as gorduras monoinsaturadas, como abacate, azeite, gergelim castanhas e gorduras poli-insaturadas, como o ômega 3, presente no salmão, atum e sardinha, e o ômega 6 que encontramos nos óleos vegetais, castanhas, sementes.

 A ingestão de gorduras saturadas, em geral, proveniente de alimentos de origem animal, não deve ultrapassar 10% do valor energético total da alimentação.

E é muito importante também que a mulher que amamenta se lembre de ingerir mais líquidos (principalmente água) nessa fase.

Voltando ao peso

Muitas mulheres se preocupam em como voltar ao peso ideal sem prejudicar a amamentação e é totalmente possível ter uma alimentação adequada durante essa fase e perder peso. Lembrando que essa perda de peso durante a amamentação acontece naturalmente, deve ser gradual e pode ser acompanhada por um profissional nutricionista, restrições severas, afetam o estado de saúde materno e da criança e são totalmente proscritas.

Durante o pós-parto é muito importante priorizar alimentos in natura ou minimamente processados e abusar da “comidinha caseira”. “Deve-se evitar o consumo de alimentos como os embutidos, refrigerantes, sucos artificiais, guloseimas, que em geral, favorecem o ganho de peso e oferecem poucos nutrientes”, explica a nutricionista.

O consumo de alimentos ricos em cafeína, como café, refrigerantes de cola, energéticos, chá verde, chá mate e chá preto também deve ser evitado ou consumido em pequenas quantidades durante a amamentação, pois podem causar dificuldade para dormir e irritação no bebê.

E as bebidas alcoólicas não são recomendadas durante a amamentação, pois o álcool vai para o leite materno e pode trazer consequências graves, entre elas comprometer o desenvolvimento neurológico e psicomotor da criança. Essa é uma fase de muito carinho, mas também que exige demais da mulher. Por isso, se for possível, ter alguém ajudando com a rotina de cuidados da criança e como preparo das refeições é recomendado.

Quer mais dicas sobre o assunto? Converse comigo pelos canais abaixo:

Mitos e Verdades sobre nutrição das mulheres que querem engravidar

Alguns hábitos e consumos de alimentos precisam de atenção da mulher que pretende engravidar. A alimentação adequada também na fase pré-gestacional exerce um papel importante.

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco comenta os mitos e verdades sobre nutrição e gravidez.

Mulheres que querem engravidar não podem consumir canela ou cúrcuma

Mito – O uso destes ingredientes como tempero, por exemplo canela na banana ou cúrcuma no frango, não prejudica a fertilidade da mulher. Porém, não devem ser suplementados na fórmula de cápsulas ou consumidos como chás e shots.

O consumo de álcool deve ser descontinuado antes da gravidez

Verdade– O álcool é prejudicial para a maturação dos ovócitos femininos e para a produção espermática no homem, por isso, deve ser descontinuado quando o casal decide engravidar.

Consumir chás naturais ajudam a engravidar

Mito – Os chás, por mais comum e naturais que sejam, apresentam compostos fitoterápicos que vão agir de formas diferentes no nosso organismo, podendo inclusive diminuir a fertilidade do casal. Por isso, é preciso orientações sobre chás permitidos no ciclo gravídico-puerperal.

O café deve ser evitado pelas mulheres que estão tentando engravidar

Verdade – Assim como o álcool, o consumo excessivo de cafeína pode reduzir as chances do casal engravidar. Por isso, deve ser descontinuado ou ter seu consumo reduzido quando o casal decide engravidar. A cafeína está presente nas bebidas que contêm café, em refrigerantes de cola, chás mate, verde e preto, além de energéticos. Quanto ao café, esse pode ser consumido sem preocupação se for descafeinado.

Grávidas vegetarianas precisam de um planejamento nutricional

Alimentação deve ser balanceada para a boa saúde da futura mamãe e do bebê

As gestantes que são vegetarianas ou veganas devem ter atenção em relação ao cuidado nutricional. O ideal é que essas mulheres tenham uma orientação individualizada e que considere o tipo de vegetarianismo que é seguido.

A alimentação vegetariana pode ser classificada em vegetarianos estritos, que não consomem laticínios ou ovos e nenhum tipo de carne; ovolactovegetarianos (consomem ovos e laticínios, mas não consomem nenhum tipo de carne); lactovegetariano (consomem laticínios, mas não consomem ovos nem carne). São considerados veganos quem não consome nem utiliza nenhum produto de origem animal. Essa modalidade envolve não só a alimentação, mas também vestuário ou qualquer atividade que envolva sofrimento animal (ex. espetáculos com animais).

As dietas vegetarianas balanceadas não trazem riscos para a saúde materna nem fetal. No entanto, é importante considerar o tipo de regime alimentar que é seguido, as quantidades e a variedade de alimentos que são consumidos para se estabelecer uma adequação da ingestão de nutrientes que são importantes no período gestacional.

As evidências científicas mostram que dietas vegetarianas bem balanceadas não apresentam riscos para a gestação. Entretanto, temos que ter atenção maior com as gestantes veganas e com os nutrientes que são encontrados principalmente em alimentos de fonte animal, como a vitamina B12, ferro, cálcio, colina, vitamina D e ômega-3.

Por isso, em algumas situações a suplementação ou o consumo de alimentos vegetarianos fortificados podem ser necessários para estas mulheres.

Vale lembrar que os cuidados adotados durante a gestação devem ser mantidos também no pós-parto. Devemos também ter atenção à proteína, cuja necessidade é maior para aquelas mulheres que amamentam. Ainda tem dúvidas? Fale comigo pelos canais abaixo:

A alimentação durante a amamentação

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco fala sobre nutrição e alimentaçào durante amamentação.

As demandas de algumas vitaminas estão aumentadas nessa fase, como vitaminas A, B12, B6, C e E

A amamentação é um dos momentos mais especiais da mulher, um período de grande ligação com o bebê.

A preocupação com a alimentação é um dos fatores que chama a atenção, pois a amamentação também é rodeada de mitos, que muitas vezes confundem a mulher.

Esses mitos giram em torno do que comer para aumentar a produção e qualidade do leite, entretanto, a quantidade de leite produzida pela mulher não depende só do tipo de alimentos que ela ingere, mas também do estímulo da sucção e da produção do hormônio ocitocina.

Na prática, isso quer dizer que é preciso do estímulo do bebê mamando, para a mulher manter sua produção de leite e a melhor maneira que temos de fazer isso é a livre demanda, ou seja, amamentar sempre que a criança quiser. Além de estimular a produção de leite, a livre demanda aumenta a conexão entre mãe e filho, estimulando a produção de ocitocina.

A mulher deve ter refeições adequadas, balanceadas e coloridas para garantir a ingestão adequada de nutrientes que irão compor o leite materno. Além de ingerir muito líquido, que favorece a produção do leite materno e hidrata a criança. E o melhor deles é a própria água – nada de bebidas açucaradas, artificiais e, muito menos, alcoólicas.

Durante a amamentação, as necessidades energéticas e proteicas são maiores devido à produção do leite. As demandas de algumas vitaminas também estão aumentadas, como é o caso das vitaminas A, B12, B6, C e E. Pratos coloridos, com folhas, legumes, cereais e leguminosas são essenciais. Além disso, os nutrientes cálcio, ferro e vitamina D são essenciais para a manutenção da saúde materna e do recém-nascido.

Para garantirmos todos esses nutrientes, é preciso acrescentar também na alimentação as frutas, preferir carnes magras, consumir leite e derivados e incluir oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas)

Além da alimentação balanceada, é fundamental que a mulher consiga descansar e ter sono de qualidade. Por isso, a divisão de tarefas e a presença da rede de apoio é essencial, em especial nesse período de adaptação e quando o bebê demanda mais da mãe. Não podemos deixar de considerar as dificuldades das mulheres em condição de insegurança alimentar e todo apoio que precisam nessa fase. Ainda tem dúvidas? Fale comigo pelos canais abaixo:

Vitamina D: benefícios para gestante e bebê

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco fala sobre os benefícios da vitamina D.

Dentre os mais variados nutrientes que a gestante irá precisar ao longo dos nove meses de seu período gestacional, a vitamina D é um dos que se destacam. Isso porque ela é uma das responsáveis por reforçar o sistema imunológico contra doenças e a auxiliar na saúde dos ossos e dos músculos.

Presente em alimentos como peixes, cogumelos, gema de ovo e fígado bovino, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que a vitamina D permite o bom funcionamento das células do corpo, em especial, ajudando nas funções de outros nutrientes como cálcio e fosfato.

Além dos alimentos, a vitamina D também pode ser obtida através da exposição aos raios solares. Para as gestantes que apresentam uma alimentação com baixa ingestão de alimentos fontes de vitamina D ou possui baixa exposição ao sol, pode ser preciso indicar um suplemento via oral, mas essa avaliação deve ser individualizada e com base nos exames laboratoriais (dosagem sanguínea).

Quando necessária, a suplementação não será algo pensado apenas na saúde da mulher. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, ela também servirá para ajudar os fetos em formação, que precisam da vitamina D nos seus primeiros meses de vida.

Por isso, a recomendação da diretriz da OMS para gestantes que estão com falta dessa vitamina consiste em adequar a nutrição com fontes do nutriente para a futura mamãe, além de regular a quantidade de horas em exposição sob a luz solar e, por fim, controlar, com auxílio de um médico, o uso do suplemento vitamínico.

Vale ressaltar que cada caso é individual, e que apenas o profissional de saúde saberá receitar a dose adequada para cada gestante. Se ainda tem dúvidas sobre o assunto, fale comigo pelos canais abaixo:

O coração da mulher

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em mulheres. A probabilidade da mulher, após a menopausa morrer de infarto é 50% maior quando comparada aos homens da mesma idade.

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco fala sobre doenças cardíacas na mulher.

Por que o infarto é mais grave na mulher?

São diversas as razões e podemos enumerá-las:

1-Mulheres não vão ao cardiologista

Existe um mito equivocado de que doenças cardiovasculares só acometem homens.

As mulheres se preocupam muito com os exames ginecológicos, mas esquecem dos cuidados com a saúde cardiovascular, que mata mais que os cânceres de útero e de mamas somados. Apesar do alto risco, poucas mulheres visitam o cardiologista regularmente.

2-Hormônios femininos protegem a mulher só até a menopausa

Antes da menopausa, o estrógeno tem função vasodilatadora, evita o acúmulo do LDL, o colesterol ruim, e facilita a atividade do HDL, colesterol bom. Depois, as mulheres perdem esse efeito protetor do estrógeno.

Mulheres diabéticas formam uma população especial que merece atenção diferenciada, com risco sete vezes maior.

3-Mulheres vivem mais que os homens

Estatisticamente observa-se que as mulheres vivem mais do que os homens, portanto tem mais tempo para desenvolver a doença durante seu envelhecimento natural. Com o envelhecimento, a pressão arterial e o nível de colesterol tendem a aumentar. A falta de atividade física e a dieta inadequada levam ao sobrepeso e à obesidade, que também aumentam o risco cardiovascular. No momento da doença são mais velhas e possivelmente mais doentes.

4-A mulher na atualidade mudou seu estilo de vida

A mulher cada vez mais é responsável pela economia da família, o que muda seu estilo de vida. Sua jornada tripla aumentou o estresse e a ansiedade – fatores que também a deixa mais suscetível aos problemas cardíacos. Somado outras condições negligenciadas, como o crescimento da obesidade, o descontrole do diabetes e dos níveis do colesterol, tabagismo, sedentarismo, o estresse do dia a dia e a pressão arterial elevada, seu risco aumenta consideravelmente. A obesidade é um dos fatores de risco mais preocupantes, já que o número de mulheres obesas no Brasil cresceu 64% em 10 anos. Quando a mulher fuma e usa pílula anticoncepcional, os riscos cardiovasculares são triplicados.

5-Os sintomas de infarto não são característicos

As mulheres podem ter infarto silencioso ou apresentarem sintomas mascarados

enquanto nos homens, a dor no peito é um sinal clássico, elas se queixam de dor nas costas, cansaço, falta de ar, desmaio, sudorese, queimação no estômago e náusea, vômitos e associam a crise a outros problemas, retardando a procura do atendimento médico.

6-As causas de infarto são diversas

Elas apresentam maior variedade de causas, ou seja, enquanto os homens têm a doença aterosclerótica obstrutiva como origem praticamente exclusiva dos problemas cardíacos, as mulheres manifestam uma incidência maior de alterações vasculares, disfunções arteriais como a síndrome do coração partido, lesão após uma situação de estresse. Portanto, uma investigação diagnóstica detalhada é exigida, especialmente porque, embora tenham menos angina típica, as mulheres apresentam pior prognóstico.

O que podemos fazer para prevenir?

Acima dos 30 anos as mulheres já devem começar as visitas ao cardiologista, a cada dois ou três anos, em caráter preventivo e acima dos 40, melhor ir anualmente.

A maioria das doenças cardiovasculares podem ser prevenidas por meio da abordagem de fatores de risco comportamentais, como o uso de tabaco, dietas não saudáveis e obesidade, falta de atividade física e uso nocivo do álcool. Para as mulheres com doença cardiovascular estabelecida ou com alto risco cardiovascular, devido a presença de um ou mais fatores de risco como hipertensão, diabetes, hiperlipidemia é fundamental o diagnóstico e tratamento precoce, com uso adequado de medicamentos.

Quando existe o fator de risco genético, evidenciado pelo histórico familiar, é mais importante ainda controlar e tratar os demais fatores.

Se tem mais dúvidas, converse comigo pelos canais abaixo:

Coito Programado

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco comenta o tratamento de coito programado.

O coito programado é um tratamento de baixa complexidade que consiste na realização da indução de ovulação por meio de medicamentos, com acompanhamento ultrassonográfico.

No decorrer do tratamento, são realizadas ultrassonografias, geralmente a cada dois ou três dias, para acompanhar o crescimento dos folículos.

Quando os folículos alcançam o tamanho ideal, ou seja, o período ovulatório, o casal é orientado a ter relações sexuais com maior frequência. Deste modo, o tratamento permite prever em qual o dia do ciclo a mulher terá maior chance de engravidar.

Como é o tratamento?

O tratamento basicamente tem início no segundo ou terceiro dia do ciclo, quando a mulher ainda está menstruada. Neste momento, é realizado o primeiro ultrassom transvaginal.

A paciente não deve ficar preocupada com o desconforto do sangue menstrual, pois os médicos estão acostumados a realizá-lo nessa fase.

Esta fase inicial é importante, pois o exame diagnostica se o ovário tem algum cisto remanescente do ciclo menstrual anterior e se no interior do útero existem pólipos, miomas ou tecido endometrial em excesso, o que poderia alterar as taxas de sucesso.

Neste primeiro ultrassom, os ovários devem ter pequenos cistos que medem no máximo 6 mm, chamados de folículos primordiais.

Dentro deles existem óvulos, que saem na época da ovulação. Dependendo do resultado deste primeiro exame, o controle ovulatório pode ser iniciado para se determinar o dia provável da ovulação.

Para quem é indicado?

Por utilizar os óvulos naturais do corpo da mulher e por atuar apenas no estímulo da fecundação, o coito programado é indicado principalmente para casais que tenham a anovulação como causa da infertilidade. Isso significa que o homem precisa ter uma avaliação de sêmen normal, assim como a mulher precisa ter uma avaliação positiva das tubas uterinas e da produção de óvulos, por exemplo. Também é necessário que o casal tenha avaliações hormonais consideradas saudáveis. Quanto mais velha for a mulher, menores são as chances de sucesso do tratamento, já que o óvulo pode estar envelhecido.

No geral, é possível realizar até 3 coitos programados seguidos. Caso a gravidez não aconteça, é necessário partir para outro tipo de tratamento, como a inseminação artificial.
O coito programado é uma técnica consagrada e pouco invasiva para estimular a fertilidade e a fecundação. Se o casal tiver a devida capacidade reprodutiva, a administração de medicamentos orais ou injetáveis acontece para estimular o crescimento do folículo ovariano, de modo a levar à liberação do óvulo.

Com a relação sexual ocorrendo nesse período, aumentam-se as chances de o casal realizar o desejo de curtirem uma gravidez.

Qual é a duração do tratamento?

A duração do tratamento é de, em média, 15 dias. No caso dos medicamentos orais, a ingestão deve acontecer por 5 dias consecutivos, enquanto para os injetáveis pode variar de 8 a 12 dias.

Após 96 horas da primeira administração, os folículos começam a ter seu crescimento mapeado a cada 2 dias. Isso é feito com ultrassonografias e exames hormonais, indicando o momento exato da aplicação de hCG.

Depois do período de ovulação, o casal deve esperar 15 dias para realizar o teste de gravidez. Com isso, o tempo entre o início do tratamento e a confirmação do sucesso ou não do tratamento é de cerca de 1 mês.

Ainda tem dúvidas sobre o coito programado? Converse comigo através dos canais abaixo:

Reserva Ovariana

A reserva ovariana representa a quantidade de folículos (estruturas que contêm os óvulos) presentes nos ovários e é um importante marcador da fertilidade.

Todos os folículos são produzidos ainda durante a vida intrauterina. Após o nascimento, não há produção de folículos e ocorre uma perda progressiva da fertilidade. Quando essa reserva acaba, a mulher deixa de ser fértil e entra na menopausa.

Dra Claudiani Branco fala sobre a Reserva Ovariana

Com o passar do tempo, os óvulos liberados pelos folículos também perdem qualidade, diminuindo as chances de gravidez e aumentando determinados riscos, como o desenvolvimento de alterações genéticas.

A idade de 35 anos é um marco importante na vida da mulher. É a idade em que a fertilidade começa a diminuir mais intensamente e as chances de uma gravidez natural tornam-se menores. Caso a mulher queira preservar a fertilidade, é importante procurar uma clínica de reprodução assistida para que possa congelar os óvulos, enquanto ainda é jovem, para uso em ciclo de fertilização in vitro (FIV) posteriormente.

Como é feita a avaliação da reserva ovariana

Existem diversos exames com o objetivo de avaliar a reserva ovariana. Os principais são a ultrassonografia transvaginal para contagem de folículos antrais (CFA) e as dosagens hormonais de FSH, LH, estradiol, progesterona e do hormônio antimülleriano (AMH).

Esses exames estimam os parâmetros de fertilidade feminina e oferecem dados importantes para a conduta terapêutica, quando o casal apresenta dificuldade para engravidar. Com a análise desses resultados, é possível estimar a resposta da paciente à estimulação ovariana e propor a melhor forma de tratamento para a infertilidade.

Ultrassonografia para contagem de folículos antrais

A ultrassonografia transvaginal é um dos exames mais indicados para a avaliação dos órgãos pélvicos e pode ser utilizada para realizar a contagem de folículos antrais nos ovários.

O termo “antral” designa um estágio de desenvolvimento inicial do folículo (entre 2 mm e 10 mm de diâmetro) que pode conter um óvulo imaturo, mas com capacidade de se desenvolver e amadurecer. Apenas o óvulo maduro pode ser fertilizado pelo espermatozoide. No ciclo natural, apenas um folículo se desenvolve para gerar um único óvulo.

Durante toda a vida, a mulher produz cerca de 400 folículos ovulatórios. Assim, a contagem desse tipo de folículo no ovário revela a reserva ovariana.

Na avaliação por ultrassonografia, também é verificado o volume ovariano, que diminui com o passar do tempo, em virtude da diminuição da reserva ovariana. Com isso, o potencial reprodutivo da mulher também diminui. Se o volume for inferior a 3 cm3, a mulher pode ter dificuldade para engravidar.

No exame, o número de folículos antrais será proporcional à capacidade reprodutiva da mulher. Quanto maior o número de folículos presentes, maior a fertilidade.

A contagem de folículos antrais está muito relacionada à idade da mulher. De modo geral, com o passar dos anos, a quantidade de folículos antrais diminui. Contudo, em casos excepcionais, há mulheres mais velhas que possuem melhor reserva ovariana do que as jovens. Entretanto, a qualidade desses óvulos é pior.

Também é possível associar a baixa reserva ovariana a tratamentos oncológicos. O tratamento para o câncer afeta diretamente os gametas femininos, aumentando a degeneração e reduzindo a qualidade deles.

A contagem de folículos antrais é feita durante o exame de ultrassonografia transvaginal.

Dosagens hormonais

As dosagens hormonais fornecem dados importantes sobre a função ovariana e sobre os parâmetros da fertilidade feminina. O FSH, o LH e o estradiol são hormônios que exercem funções vitais durante o ciclo menstrual e, quando em desequilíbrio, podem reduzir as chances de gravidez. Essa pesquisa hormonal é feita no sangue.

Os níveis de FSH aumentam conforme a mulher se aproxima da menopausa. Portanto, ele é um marcador efetivo da baixa reserva ovariana e, consequentemente, da baixa resposta à estimulação ovariana na FIV. Quanto mais altos forem os níveis de FSH, menor será a possibilidade de sucesso em técnicas de reprodução assistida. Contudo, embora o FSH indique uma baixa reserva ovariana, ele não é um marcador da qualidade dos óvulos. Dessa forma, em alguns casos, mesmo que a reserva ovariana seja baixa, a gravidez é possível.

Os níveis de LH também podem ser marcadores da reserva ovariana. Níveis elevados de LH podem indicar insuficiência dos ovários. Se os níveis de LH forem abaixo do normal, a mulher pode apresentar quadro de anovulação.

O estradiol também auxilia na avaliação da reserva ovariana. Quando em níveis abaixo do normal, pode ser marcador de baixa resposta ovariana, ainda que os níveis de FSH estejam normais.

Hormônio antimülleriano

O hormônio antimülleriano (AMH) é uma glicoproteína produzida pelas células da granulosa que estão presentes nos folículos, principalmente nos pré-antrais e antrais. Se a reserva ovariana for baixa, os níveis de AMH serão baixos. Se houver ainda uma boa reserva ovariana, os níveis de AMH serão altos.

O AMH é detectado durante e após a puberdade, quando a capacidade reprodutiva da mulher está completa. Antes dessa idade ele é indetectável.

Esse também não é um exame com poder preditivo absoluto. Existem diversos fatores que interferem na reserva ovariana e nos níveis hormonais. A análise conjunta dos exames hormonais deve ser considerada para efetuar o diagnóstico. Em alguns casos, níveis altos de AMH não asseguram boa reserva ovariana.

Reserva ovariana e reprodução assistida

A reserva ovariana é fundamental para a reprodução assistida. Baixa reserva indica má resposta aos tratamentos de fertilidade, enquanto boa reserva indica grande chance de sucesso.

A avaliação da reserva ovariana, por essa razão, é um procedimento obrigatório antes do início da reprodução assistida, como forma de prever o prognóstico do tratamento.

Embora existam diversos exames para a avaliação da reserva ovariana, eles não são preditores absolutos de sucesso ou insucesso do tratamento. Não há um exame que seja totalmente confiável. Existe uma combinação de fatores que podem interferir no prognóstico. A análise deve ser ampla.

A avaliação de um especialista é indispensável para a correta interpretação dos dados e orientação da melhor conduta para alcançar a gravidez.

Tem dúvidas ainda sobre a reserva ovariana? Entre em contato comigo pelo canais abaixo:

Indicações para o laser vaginal

Cada vez mais as mulheres estão se interessando por tratamentos de rejuvenescimento íntimo. O objetivo é reduzir a flacidez, melhorar a firmeza e a elasticidade, trazendo mais autoconfiança e conforto.

Ao longo dos anos, cai a produção de colágeno e de elastina, fibras importantes para garantir a qualidade da pele. Com isso, a pele na região íntima sofre perda de força e espessura, impactada também pela menopausa, efeitos do parto, maus hábitos, entre outros fatores.

Esses efeitos acarretam incontinência urinária, ressecamento íntimo, dor, baixa autoestima e outras consequências.

Protocolos como o laser melhoram a qualidade de vida e a autoestima das mulheres.

Quais os benefícios do laser íntimo?

Reestrutura da pele e da mucosa vaginal

Com o passar dos anos, a pele vaginal perde força e elasticidade. Fica mais fina e com menos viço. O laser íntimo estimula as fibras de colágeno e elastina, aumentando a espessura e a qualidade da pele.

Reduz a dor durante a relação sexual

O laser íntimo estimula a vascularização local, melhorando a firmeza e a lubrificação vaginal. Isso aumenta o prazer feminino e reduz dores durante a relação sexual.

Trata a incontinência urinária leve

Estudos indicam que metade das mulheres maduras sofrem com o problema de perda de urina. O enfraquecimento de músculos do assoalho pélvico e a flacidez gerada pela queda na produção das fibras de colágeno e de elastina levam ao problema, que é amenizado com o laser íntimo.

Reduz as infecções recorrentes

Com o passar dos anos, a flora vaginal entra em desequilíbrio, deixando a região mais alcalina, facilitando a proliferação das bactérias. O laser regenera as células, estimulando o reequilíbrio da flora habitual.

É um tratamento minimamente invasivo

O tratamento com laser é feito no consultório, com resultados evidentes desde o momento da aplicação e com retorno imediato às atividades do dia a dia. O procedimento é indolor e a paciente sente apenas um leve aquecimento na região.

Ao longo dos anos, cai a produção de colágeno e de elastina, fibras importantes para garantir a qualidade da pele. Com isso, a pele na região íntima sofre perda de força e espessura, impactada também pela menopausa, efeitos do parto, maus hábitos, entre outros fatores. Esses efeitos acarretam incontinência urinária, ressecamento íntimo, dor, baixa autoestima e outras consequências. Protocolos como o laser melhoram a qualidade de vida e a autoestima das mulheres.

Se ainda se sente insegura com relação aos procedimentos do laser íntimo, fale comigo através dos canais abaixo: