Menopausa

Menopausa é o nome que se dá à última menstruação, um episódio que ocorre, em geral, entre os 45 e 55 anos. Quando ocorre por volta dos 40 anos, é chamada de menopausa prematura ou precoce.

Muitas vezes, o termo menopausa é empregado indevidamente para designar o climatério, que é a fase de transição do período reprodutivo, ou fértil, para o não reprodutivo na vida da mulher.

Mulher feliz em meio a uma árvore. Foto por Fernando Cferdo no Unsplash.
Converse com o Ginecologista para entender e ingressar bem nessa fase da sua vida

A principal característica da menopausa é a parada das menstruações.

No entanto, em muitas mulheres, a menopausa se anuncia por irregularidades menstruais, menstruações mais escassas, hemorragias, menstruações mais ou menos frequentes. Outros sinais e sintomas característicos como ondas de calor (fogachos), alterações do sono, da libido e do humor, bem como atrofia dos órgãos genitais, aparecem em seguida.

O tratamento para mulheres na menopausa que podem ajudar na melhora dos sintomas podem ser divididos em medicamentosos e comportamentais. As pacientes se beneficiam bastante de mudança no estilo de vida como alimentação saudável, prática regular de exercícios físicos ou início de determinado tipo de hobby, diminuição de peso, cessação de tabagismo ou abuso de álcool. 

O tratamento medicamentoso depende muito dos sintomas que a paciente relata, porém ele pode ser realizado com auxílio de reposição hormonal, antidepressivos, fitoterápicos e cremes vaginais, tanto hormonais quanto lubrificantes, que diminuem o ressecamento local. Atualmente também há o uso do laser íntimo que é uma terapia inovadora e não invasiva que propicia o rejuvenescimento vaginal.

É importante conversar com um ginecologista para avaliar os sintomas e tratamento adequado para cada mulher. Se necessário, converse comigo:

Quais sintomas indicam algum problema com o meu DIU?

Após a inserção do DIU, é comum sentir cólicas leves, que podem ser aliviadas com anti-inflamatórios. Nos primeiros meses, também é possível ter sangramentos irregulares e mudanças no ciclo menstrual. Complicações decorrentes do uso do DIU não são frequentes, mas é importante estar atenta a sintomas anormais.

A posição correta do DIU pode ser sentida pela própria mulher, ao tocar o colo do útero. O correto é sentir as pontas dos fios apenas. Caso não consiga senti-las, ou perceba que a haste do dispositivo está para fora do colo do útero, é sinal de que o DIU saiu da posição correta.

Febre, cólicas intensas, sangramentos fortes e corrimento com cheiro anormal podem indicar problemas, como infecção, deslocamento ou outras situações. Ao perceber qualquer um desses sinais e sintomas, procure seu médico.

Posso usar o DIU antes da primeira gravidez?

Os dispositivos intrauterinos, tanto de cobre quanto hormonal, são contraceptivos eficazes, seguros e podem ser colocados antes da primeira gravidez e não apenas depois do primeiro filho. Eles não afetam a fertilidade da mulher e, ao contrário do que muitas mulheres pensam, não aumentam a chance de desenvolver doenças inflamatórias pélvicas.

O ideal é que você vá ao ginecologista mais de uma vez durante o primeiro ano de uso do DIU para fazer acompanhamento. Peça a orientação dele para escolher o método adequado para você, pois todos possuem contraindicações e a escolha deve ser individual.

Mais dúvidas como essa? Não deixe de entrar em contato comigo:

Obesidade pode diminuir a eficácia do anticoncepcional?

A gravidez indesejada é especialmente preocupante em mulheres obesas, pois pode trazer riscos à saúde da mãe e do bebê. Para planejá-la, é importante o uso de método contraceptivo e esperar o momento ideal para engravidar. Embora os estudos sobre o tema sejam controversos, a conclusão é que a obesidade compromete pouco ou nada o desempenho dos métodos anticoncepcionais.

A exceção é o adesivo transadérmico, cuja taxa de falha pode ser significativamente maior para mulheres com mais de 90 quilos. Outro ponto importante é que, ao iniciar um método hormonal, a proteção só é garantida após 14 dias, porque os níveis de progesterona demoram mais para se estabilizar em obesas.

Mulher obesa pensativa, em relação a dúvida sobre obesidade reduzir eficácia do anticoncepcional. Foto por Khorena Sanders no Unsplash.

Além disso, o implante contraceptivo pode ter eficácia por menos tempo para quem está acima do peso, mas os dados são conflitantes com outros estudos que demonstram não haver diferença na eficácia.

Em relação ao dispositivo intrauterino (DIU), as evidências apontam que o método é igualmente eficaz para usuárias com sobrepeso ou obesidade. Ou seja, mais de 99% de eficácia.

Quer esclarecer mais dúvidas como essa? Entre em contato comigo:

Sou diabética. Qual contraceptivo posso usar?

A diabetes, tanto a do tipo 1 quanto a do tipo 2, pode causar riscos durante uma gravidez não planejada. Para evitar isso, as mulheres que têm a doença devem usar contraceptivos de alta confiabilidade. O dispositivo intrauterino (DIU), por exemplo, tem alta taxa de eficácia.

Mulher pensativa, em alusão a dúvida sobre diabetes e método contraceptivo. Foto por Icons8 Team no Unsplash.

Há dois tipos de DIU. O de cobre, com validade de até dez anos, elimina os espermatozoides antes de penetrarem no útero. Já o hormonal, que pode tem validade de até cinco anos, libera progesterona, o que modifica a secreção do colo uterino e impede a passagem dos espermatozoides. O DIU de cobre tem uma taxa de falha de 0,4% nos primeiros 12 meses, enquanto a chance de falha do DIU hormonal no primeiro ano de uso é de 0,2%. Diabéticas podem usar tanto um quanto o outro.

As pílulas anticoncepcionais podem diminuir o efeito de hipoglicemiantes orais, anti-hipoglicemiantes e da insulina. Em alguns casos específicos, contraceptivos hormonais podem não ser indicados, devido ao tempo da doença, idade, tabagismo, hipertensão, obesidade e complicações em determinados órgãos. No entanto, antes de qualquer coisa, consulte o ginecologista para saber qual é a melhor opção para você.

Posso te ajudar a esclarecer mais dúvidas? Entre em contato:

Contracepção e lúpus: como me proteger?

Mulher de olhos claros olhando para a câmera e a frase Contracepção e Lúpus, como me proteger? Foto por Velizar Ivanov no Unsplash.

O lúpus é uma doença autoimune que atinge, principalmente, mulheres na idade fértil. Uma gestação não planejada nessas mulheres pode gerar riscos para a saúde da mãe e do feto. Portanto, o planejamento da gestação é essencial.


Por outro lado, os métodos contraceptivos são pouco utilizados, seja pela falta de informação da paciente ou por dúvidas ao prescrever os anticoncepcionais hormonais.

Os LARCs (DIU de cobre, SIU-LNG e implante de ENG) representam as opções contraceptivas mais eficazes e devem ser encorajados em todas as pacientes, mesmo em nulíparas e adolescentes que não tenham contraindicações ao uso. Eles apresentam altas taxas de satisfação e continuidade de uso entre todos os contraceptivos reversíveis.

O método contraceptivo escolhido pela paciente com lúpus deve ser discutido com o ginecologista e o reumatologista, sempre combinando segurança, eficácia, conveniência e outras necessidades individuais da mulher.

Para mais dicas como essa me siga nas redes sociais ou entre em contato comigo pelos canais abaixo:

Em que idade o sangramento uterino anormal (SUA) é mais comum?

O sangramento uterino anormal (SUA) pode acontecer em todas as idades da vida reprodutiva das mulheres, porém é mais comum que o problema aconteça em dois momentos: no início e no fim da vida reprodutiva.

Nos dois primeiros anos após a primeira menstruação, é comum que as adolescentes tenham queixas de menstruações irregulares, com sangramento excessivo e intervalo de tempo diferentes. Durante a perimenopausa (fase antes da menopausa), por volta dos 45 anos, os ciclos menstruais podem se tornar mais irregulares e é comum que o sangramento uterino anormal ocorra. Também é normal pular períodos ou o sangramento ser menor durante a perimenopausa.

Mulher pensativa elucidando as dúvidas a respeito da idade com que o SUA ocorre. Foto por Ernest Brillo no Unsplash.

Fique atenta aos sinais e sintomas do corpo, especialmente durante esses períodos da vida. Apenas um médico poderá identificar e diagnosticar problemas na saúde reprodutiva. Nunca se automedique.

É importante conversar com o seu médico sobre o método contraceptivo mais indicado para o seu caso.

Câncer de colo do útero

O câncer do colo do útero, também chamado de câncer cervical, é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano – HPV (chamados de tipos oncogênicos).

A infecção genital por esse vírus é muito frequente e não causa doença na maioria das vezes. Entretanto, em alguns casos, ocorrem alterações celulares que podem evoluir para o câncer. Essas alterações são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou ou Papanicolau), e são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso, é importante a realização periódica desse exame.

Ele é o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina (atrás do câncer de mama e do colorretal), e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

O que aumenta o risco:

  • Início precoce da atividade sexual e múltiplos parceiros. 
  • Tabagismo (a doença está diretamente relacionada à quantidade de cigarros fumados).
  • Uso prolongado de pílulas anticoncepcionais.

Sinais e sintomas

Fonte INCA

O câncer do colo do útero é uma doença de desenvolvimento lento, que pode não apresentar sintomas em fase inicial. Nos casos mais avançados, pode evoluir para sangramento vaginal intermitente (que vai e volta) ou após a relação sexual, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada a queixas urinárias ou intestinais.

Como prevenir?

A prevenção primária do câncer do colo do útero está relacionada à diminuição do risco de contágio pelo Papilomavírus Humano (HPV). A transmissão da infecção ocorre por via sexual, o uso de preservativos (camisinha masculina ou feminina) durante a relação sexual com penetração protege parcialmente do contágio pelo HPV, que também pode ocorrer pelo contato com a pele da vulva, região perineal, perianal e bolsa escrotal.

Vacinação contra o HPV

O Ministério da Saúde implementou no calendário vacinal a vacina tetravalente contra o HPV para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.  Essa vacina protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do HPV. Os dois primeiros causam verrugas genitais e os dois últimos são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero.

A vacinação e a realização do exame preventivo (Papanicolau) se complementam como ações de prevenção desse tipo de câncer. Mesmo as mulheres vacinadas, quando alcançarem a idade preconizada (a partir dos 25 anos), deverão fazer o exame preventivo periodicamente, pois a vacina não protege contra todos os tipos oncogênicos do HPV.

Sangramento Uterino Anormal de causas orgânicas ou disfuncionais?

O sangramento uterino anormal (SUA) de causa orgânica pode ser provocado por vários problemas, tais como: pólipos e miomas (tumores benignos no útero), adenomiose (endométrio crescendo na parede muscular do órgão) e tumores malignos. Já o sangramento uterino disfuncional ou endócrino é causado por estímulo hormonal inadequado.

Mulher preocupada sobre um sofá, foto por Alex Boyd no Unsplash
Identificar o tipo de sangramento é essencial para um tratamento de sucesso.

Primeiramente, o médico precisa identificar o tipo de sangramento uterino para, depois, estabelecer a melhor forma de tratamento.

No caso dos pólipos, estes podem ser removidos ambulatorialmente. Se a razão do sangramento for adenomiose ou mioma, pode ser feito tratamento hormonal ou, em alguns casos, procedimento cirúrgico.

Por outro lado, o único tratamento para o sangramento uterino disfuncional é hormonal. Se você tem sangramento e suspeita que seja SUA, nunca se automedique. Converse com o médico para que ele faça o diagnóstico e indique o tratamento mais adequado para você.

Posso usar o DIU após cirurgia bariátrica?

É recomendado que as mulheres evitem a gravidez até 12 a 24 meses após a cirurgia bariátrica. É o tempo necessário para o organismo normalizar a absorção de nutrientes após a grande perda de peso. Por isso, é muito importante usar um método contraceptivo eficaz durante esse período.

Mulher pensativa por The Creative Exchange no Unsplash.
Avalie muito bem o método contraceptivo escolhido

Os métodos contraceptivos orais, como as pílulas, devem ser evitados devido à má absorção após a cirurgia. Portanto, os métodos não orais, como os dispositivos intrauterinos (DIU), são os mais indicados. Eles oferecem contracepção reversível de longo prazo e apresentam alta eficácia, que não é afetada pela perda de peso ou má absorção após a cirurgia.

Porém, o DIU de cobre pode aumentar o fluxo menstrual e piorar o quadro de anemia presente nas pacientes e deve ser evitado. Por outro lado, o DIU hormonal reduz o sangramento menstrual, sendo vantajoso para essas mulheres. A camisinha não apresenta contraindicação e é o único método que também ajuda a evitar ISTs, porém tem maior chance de falha quando comparada a outros métodos.

Se você realizou ou vai realizar o procedimento, converse com o médico para saber qual método é o mais indicado para o seu caso.