Dia Internacional da Luta Contra a AIDS

O ano de 2021 representa um marco no combate ao HIV no Brasil:

40 anos se passaram desde a identificação dos primeiros casos no País e, há exatos 25 anos, os medicamentos antirretrovirais, usados para tratar a infecção, passavam a ser distribuídos via rede pública de saúde. Mesmo com todas essas conquistas, o momento é de alerta. Dados do Ministério da Saúde indicam um cenário de queda na adesão ao tratamento contra o HIV durante a pandemia de covid-19, quando muita gente deixou de fazer os exames de controle ou adiou a retirada das medicações.

Não podemos colocar em risco tantos anos de vitórias no combate ao HIV.

Devemos encorajar a retomada do autocuidado, reforçar o papel do controle adequado do HIV e mobilizar a rede de apoio em torno das pessoas que convivem com o vírus. Homens e mulheres, de diferentes idades e orientações sexuais, com ou sem HIV.

Mas o que é AIDS?

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) é causada pelo vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). O HIV é um vírus que se instala no corpo humano de tal forma que ele não consegue se livrar, obrigando a pessoa a conviver para sempre com ele. Transmitido pelo contato com sangue, sêmen ou fluidos vaginais infectados, o HIV afeta especificamente as células do sistema imunológico, que sem o tratamento antirretroviral (TARV) torna o organismo, ao longo do tempo, incapaz de lutar contra infecções (AIDS). Muitas pessoas que estão infectadas com o HIV não têm nenhum sintoma durante 10 anos ou mais, por essa razão, a única forma de saber se a pessoa está infectada com o vírus é por meio do teste e, caso a pessoa tenha sido exposta a uma situação de risco é recomendado solicitá-lo. A única forma de prolongar a vida das pessoas infectadas pelo HIV é com o tratamento antirretroviral, pois até o momento, não há previsões de cura.

Se tem mais dúvidas sobre AIDS ou outros assuntos ginecológicos, fale comigo através dos canais abaixo.