GORDURA ABDOMINAL

A gordura abdominal deve ser evitada a qualquer custo. Aqui listo algumas dicas. Foto por Ehimetalor Akher no Unsplash.

É o acúmulo de gordura na região abdominal, ou seja, a região da barriga. Há basicamente dois tipos dessa gordura: visceral e subcutânea. A visceral é quando há gordura nas vísceras do abdômen. É considerada a mais perigosa, pois fica próxima aos órgãos vitais e do sistema circulatório. Já a subcutânea é aquela que fica sob a pele.

Para saber se a gordura abdominal está prejudicando a saúde, é calculada a circunferência do abdômen e o Índice de Massa Corporal (IMC). A região é medida utilizando-se a fita métrica.

Confira a sua circunferência abdominal e os possíveis riscos à sua saúde:

Risco aumentadoRisco significantemente aumentado
HomensMaior ou igual a 94 cmMaior ou igual a 102 cm
MulheresMaior ou igual a 80 cmMaior ou igual a 88 cm
Circunferência Abdominal – Medidas de Risco

A presença de gordura em excesso no abdômen sempre foi um indicador de sobrepeso, mas agora ela está ganhando ainda mais atenção dos médicos especialistas. Isso porque pesquisas mostram que esse tipo de gordura está diretamente relacionado às alterações do metabolismo e ao maior risco de doenças cardiovasculares, como por exemplo, a resistência à insulina (o diabetes), a hipertensão e o infarto do miocárdio. Mulheres que estão na menopausa possuem mais risco de ter gordura abdominal em excesso.

Acredita-se que o maior perímetro de cintura está relacionado com o aumento de risco de sofrer doenças cardiovasculares, independentemente do peso ou da idade do paciente.

PREVENÇÃO

Para prevenir as doenças cardiovasculares e o diabetes, é necessário evitar o excesso de gordura abdominal. Confira abaixo algumas dicas para diminuir a gordura nesse local.

  • Faça exercícios aeróbicos diariamente por 20 a 30 minutos. Caminhadas, natação e bicicleta são algumas das opções;
  • Faça  entre cinco ou seis pequenas refeições por dia, a intervalos médios  de três horas, sempre se lembrando de comer com moderação e escolhendo com cuidado o que comer;
  • Atenção na mastigação dos alimentos;
  • Coma frutas, verduras e alimentos ricos em fibras;
  • Reduza o consumo de alimentos gordurosos, como frituras (por exemplo, batatas fritas) e salgadinhos industrializados. Evite também aqueles alimentos com muito açúcar, como bolos e tortas, doces e refrigerantes;
  • Não exagere no consumo de sal ou de bebidas alcoólicas;
  • É recomendável ingerir 2 litros de água por dia.

Para mais informações, agende um bate papo comigo em meu consultório através dos botões abaixo:

Obesidade pode diminuir a eficácia do anticoncepcional?

A gravidez indesejada é especialmente preocupante em mulheres obesas, pois pode trazer riscos à saúde da mãe e do bebê. Para planejá-la, é importante o uso de método contraceptivo e esperar o momento ideal para engravidar. Embora os estudos sobre o tema sejam controversos, a conclusão é que a obesidade compromete pouco ou nada o desempenho dos métodos anticoncepcionais.

A exceção é o adesivo transadérmico, cuja taxa de falha pode ser significativamente maior para mulheres com mais de 90 quilos. Outro ponto importante é que, ao iniciar um método hormonal, a proteção só é garantida após 14 dias, porque os níveis de progesterona demoram mais para se estabilizar em obesas.

Mulher obesa pensativa, em relação a dúvida sobre obesidade reduzir eficácia do anticoncepcional. Foto por Khorena Sanders no Unsplash.

Além disso, o implante contraceptivo pode ter eficácia por menos tempo para quem está acima do peso, mas os dados são conflitantes com outros estudos que demonstram não haver diferença na eficácia.

Em relação ao dispositivo intrauterino (DIU), as evidências apontam que o método é igualmente eficaz para usuárias com sobrepeso ou obesidade. Ou seja, mais de 99% de eficácia.

Quer esclarecer mais dúvidas como essa? Entre em contato comigo: