Orientações após inserção de Implanon

Dra Claudiani Branco dá orientações após a inserção do implanon.

Você acaba de inserir o implante subdérmico liberador de etonogestrel, IMPLANON, e passará por um período de adaptação que ocorre por um período máximo de 6 meses, portanto é importante o acompanhamento e avaliação de seu médico.

Implanon tem duração de 3 anos e é muito importante que todas as suas dúvidas sejam esclarecidas com seu médico. Lembrando que:

  1. Seu implante libera uma pequena quantidade de etonogestrel continuamente no seu corpo, em quantidades suficientes para impedir a gravidez. Seu principal mecanismo de ação que impede a gravidez são a parada da ovulação e tornar o muco do colo do útero mais espesso, dificultando a entrada dos espermatozoides. Em 24 horas, após a inserção, você estará protegida.
  2. É um contraceptivo hormonal de longa ação, para uso subdérmico. É radiopaco, ou seja, que podem ser identificados em um exame simples de raio-x
  3. Apresenta eficácia contraceptiva acima de 99%, é muito seguro.
  4. Há um rápido retorno do ciclo menstrual após a remoção do implante
  5. Deve ser removido após 3 anos de uso. Após esse período, ele pode ser substituído por um novo ou por outro método. Não há limite do número de implantes que a mulher pode usar na vida
  6. Um enfaixamento compressivo poderá ser colocado para minimizar o risco de formação de hematoma ou apenas curativo adesivo sobre o local. Você poderá retirar em 24 horas ou conforme seu médico orientar.
  7. Em caso do desejo de gravidez, o médico pode retirar o implante e imediatamente você já estará́ pronta para uma gestação
  8. Enquanto você estiver usando o implante, você poderá ficar sem menstruação ou apresentar sangramento irregular, variando de sangramento leve ou com maior volume, semelhante à uma menstruação. Isto não significa que o implante não é adequado para você ou que não está fazendo efeito anticoncepcional. Em geral, o sangramento não requer nenhuma providência. Entretanto, caso seja prolongado ou muito forte você deverá consultar seu médico
  9. A remoção do implante só deve ser feita por um médico que esteja familiarizado com a técnica de remoção
  10. Um novo implante pode ser colocado no mesmo braço. Se o implante for imediatamente trocado, não é necessário o uso de nenhum outro método de contracepção.

Quer mais orientações sobre o Implanon? Entre em contato comigo através dos canais abaixo:

Informações sobre o Implanon

Dra Claudiani Branco Ginecologista fala sobre o contraceptivo Implanon. Imagem: Bruce Mars on Unsplash.

Implanon® é um pequeno bastão de plástico semirrígido contendo 68 mg da substância ativa etonogestrel, que é colocado diretamente sob a pele. Uma pequena quantidade de um tipo de hormônio feminino, o progestagênio etonogestrel, é liberada continuamente, passando do implante para a corrente sanguínea, resultando em efeito anticoncepcional por um período de até três anos.

Funciona de duas maneiras:

  • Impedindo a liberação do óvulo do ovário; e
  • Alterando a secreção do colo do útero e dificultando a entrada dos espermatozoides no útero.

Como deve ser inserido?

  • Para facilitar a inserção, a mulher deve deitar-se de costas, com o braço levemente dobrado no cotovelo e virado para fora.
  • Será inserido com a ajuda de um aplicador desenvolvido especialmente para essa função, na parte interna do braço.
  • O local da inserção será indicado na pele; o local será desinfetado e anestesiado.
  • A pele é distendida e a agulha inserida diretamente sob a pele. Quando a ponta da agulha estiver dentro da pele, a agulha é inserida completamente com um movimento paralelo à superfície da pele.
  • O implante permanecerá no braço quando a agulha for retirada, após a quebra do lacre.
  • O médico verificará, juntamente com você, se o implante realmente está dentro do seu braço. Em caso de dúvida, você deverá utilizar camisinha até que você e seu médico estejam completamente seguros de que o implante foi inserido. Em raros casos, o médico pode ter que utilizar exame por ultrassonografia ou ressonância magnética, ou exame de sangue, para ter certeza de que o implante foi inserido no local.
  • Será feito um curativo compressivo com uma gaze estéril para minimizar as lesões.

Como deve ser retirado?

  • A localização precisa do implante é indicada no cartão da usuária.
  • O médico localizará o final do implante. Quando o implante não puder ser localizado, o médico pode recorrer às técnicas de ultrassonografia ou ressonância magnética.
  • O braço da mulher será desinfetado e anestesiado.
  • Será feito um pequeno corte na direção longitudinal do braço, logo abaixo da ponta do implante.
  • O implante será puxado delicadamente e retirado com uma pinça.
  • Ocasionalmente, o implante pode estar encapsulado. Nesse caso, será necessário um corte pequeno na pele antes que o implante possa ser retirado.
  • O corte será fechado com curativo aproximativo e será colocada uma gaze estéril compressiva para minimizar as lesões.

Tem mais dúvidas sobre o implanon ou sobre outros métodos anticoncepcionais? Veja este artigo, ou fale comigo através de um dos canais abaixo:

Menstruação

Dra Claudiani Branco, ginecologista, explica a menstruação. Foto por Andrea Piacquadio no Pexels.

Menstruação é a descamação das paredes internas do útero quando não há fecundação. Essa descamação faz parte do ciclo reprodutivo da mulher e acontece todo mês.

O corpo feminino se prepara para a gravidez, e quando esta não ocorre, o endométrio (membrana interna do útero) se desprende. O fluxo menstrual é composto, assim, por sangue e tecido uterino.

O período menstrual faz parte do ciclo reprodutivo da mulher, que acontece em quatro fases:

Menstruação – Perda de sangue que ocorre periodicamente. Devido a estímulos hormonais, a superfície do endométrio se rompe e é excretada pela vagina, sob a aparência de um fluido de sangue. Em geral, a primeira menstruação (menarca) ocorre aos dozes anos;

Fase pré-ovulatória – Período em que o óvulo se desenvolve para sair do ovário e o útero se prepara para receber um óvulo fecundado; 

Ovulação – Processo que ocorre entre o 13º e 15º dia antes da próxima menstruação.  Nessa fase, a mulher está fértil e tem maiores chances de engravidar

Fase pós-ovulatória – quando o óvulo não é fecundado, ele morre após 12 ou 24 horas. Após essa morte, há o início de uma nova menstruação. 

É possível evitar a menstruação a fim de melhorar os sintomas da cólica, da TPM e da endometriose com o uso dos anticoncepcionais, nos chamados regime contínuo (não há pausa) e regime estendido (a pausa é realizada após 84 dias).

Para mais dicas como essa, entre em contato comigo:

Spotting: Como se adaptar ao sangramento de escape?

Dra. Claudiani Branco explica como se adaptar aos efeitos do sangramento de escape ou Spotting. Foto por Pawel Czerwinski no Unsplash.

Spotting ou sangramento de escape é um leve sangramento que ocorre fora da época do fluxo menstrual. Pode ser causado pelo uso de métodos anticoncepcionais. É um sintoma muito comum durante o período de adaptação a um contraceptivo, mesmo com uso regular. Continue a leitura para saber mais sobre o spotting e como se adaptar.

Quando o spotting pode acontecer?

A troca ou o recomeço do uso do anticoncepcional pode causar sangramento vaginal parecido com uma menstruação, porém mais leve, pois o corpo está se adaptando aos níveis hormonais do contraceptivo. Neste caso, a mulher usa um absorvente por dia. Cerca de três meses depois, o sangramento tende a parar.

O que fazer em caso de spotting?

Se não vier acompanhado de sintomas, geralmente não é preciso interromper do uso do anticoncepcional. A continuidade fará seu organismo se adaptar ao contraceptivo. No caso das pílulas, a tomada diária, respeitando o mesmo horário, fará o sangramento parar em pouco tempo.

Caso o sangramento persista por mais de três meses ou se torne intenso, converse com o médico para avaliar a necessidade de trocar o método anticoncepcional.

Para mais detalhes e informações, entre em contato comigo:

IMPLANTE ANTICONCEPCIONAL

O implante anticoncepcional é uma pequena cápsula que contém o hormônio etonogestrel. Possui 4cm de comprimento e 2mm de diâmetro. Ele é introduzido embaixo da pele por meio de um aplicador descartável.

Esse método atua impedindo a liberação do óvulo do ovário, além de alterar a secreção de muco pelo colo do útero, e dificultar a entrada de espermatozoides.

Existe a possibilidade de que em algumas mulheres ocorra sangramento em épocas fora do período menstrual. Pode apresentar alguns efeitos adversos, como: sangramento por mais de cinco dias, amenorreia, acne, dor nas mamas, cefaleia, aumento de peso, dor abdominal, diminuição da libido, tonturas, dor no local do implante, náuseas e alterações no humor. O implante pode ser utilizado também como um tratamento coadjuvante da dismenorreia. Além disso, previne a gravidez ectópica.

Antes de fazer uso desse método contraceptivo, é preciso consultar o seu ginecologista. Caso seja indicado, o próprio médico realizará a inserção do implante, que deve ocorrer entre os primeiros cinco dias do clico menstrual. Esse anticoncepcional pode ser inserido após parto ou aborto (cerca de 21 dias depois e está contraindicado para mulheres que tenham trombose , câncer, icterícia ou sangramento vaginal desconhecido).

Existem implantes que duram até três anos. É um método muito eficaz, 99% de prevenção de gravidez, equivalente ao da ligadura de trompas. Entretanto, não previne contra as ISTs. Caso a mulher deseje engravidar, basta solicitar a remoção. O retorno da fertilidade ocorre rapidamente.

Para informações mais detalhadas, entre em contato comigo:

Obesidade pode diminuir a eficácia do anticoncepcional?

A gravidez indesejada é especialmente preocupante em mulheres obesas, pois pode trazer riscos à saúde da mãe e do bebê. Para planejá-la, é importante o uso de método contraceptivo e esperar o momento ideal para engravidar. Embora os estudos sobre o tema sejam controversos, a conclusão é que a obesidade compromete pouco ou nada o desempenho dos métodos anticoncepcionais.

A exceção é o adesivo transadérmico, cuja taxa de falha pode ser significativamente maior para mulheres com mais de 90 quilos. Outro ponto importante é que, ao iniciar um método hormonal, a proteção só é garantida após 14 dias, porque os níveis de progesterona demoram mais para se estabilizar em obesas.

Mulher obesa pensativa, em relação a dúvida sobre obesidade reduzir eficácia do anticoncepcional. Foto por Khorena Sanders no Unsplash.

Além disso, o implante contraceptivo pode ter eficácia por menos tempo para quem está acima do peso, mas os dados são conflitantes com outros estudos que demonstram não haver diferença na eficácia.

Em relação ao dispositivo intrauterino (DIU), as evidências apontam que o método é igualmente eficaz para usuárias com sobrepeso ou obesidade. Ou seja, mais de 99% de eficácia.

Quer esclarecer mais dúvidas como essa? Entre em contato comigo:

Posso ter tromboembolismo usando contraceptivos hormonais?

Alguns tipos de anticoncepcionais hormonais estão associados com o aumento do risco de problemas cardiovasculares. Um deles é o tromboembolismo venoso, que acontece quando coágulos se formam nas veias e bloqueiam a passagem do sangue. Em alguns casos, os coágulos podem até causar acidente vascular cerebral (AVC).

Embora os anticoncepcionais orais combinados à base de estrogênio sejam os mais associados com a ocorrência do tromboembolismo, há outros fatores que também podem aumentar o risco, como obesidade e tabagismo.

Cerca de 61,5% das mulheres que tiveram o problema, por exemplo, eram fumantes. Então, converse com o seu ginecologista para saber quais anticoncepcionais são mais adequados para o seu caso antes de escolher algum.

Endometriose

Patologia em que o tecido endométrio, que normalmente reveste o útero cresce fora do útero. Na endometriose o tecido pode estar presente nos ovários, nas tubas uterinas, bexiga ou no intestino.

Comparação entre um útero saudável e um útero com áreas afetadas pela Endometriose.
Comparação entre um útero saudável e um útero com áreas afetadas pela Endometriose.

A endometriose pode comprometer a fertilidade da mulher, é umas das principais causas de infertilidade e pode comprometer muito a qualidade de vida pois pode causar dor antes ou durante a menstruação e na relação sexual, mas muitas vezes ela é assintomática.

Diante da suspeita, o exame ginecológico clínico é o primeiro passo para o diagnóstico, que pode ser confirmado pelos seguintes exames laboratoriais e de imagem: visualização das lesões por laparoscopia, ultrassom endovaginal, ressonância magnética e um exame de sangue chamado marcador tumoral CA-125, que se altera nos casos mais avançados da doença. O diagnóstico de certeza, porém, depende de uma biópsia.

A endometriose é uma doença crônica que regride espontaneamente com a menopausa, em razão da queda na produção dos hormônios femininos.

Mulheres mais jovens podem valer-se de medicamentos que suspendem a menstruação: a pílula anticoncepcional tomada sem intervalos e os análogos do GnRH. O inconveniente é que estes últimos podem provocar efeitos colaterais adversos.

Lesões maiores de endometriose, em geral, devem ser retiradas cirurgicamente. Quando a mulher já teve os filhos que desejava, a remoção dos ovários e do útero pode ser uma alternativa de tratamento.

Procure o ginecologista para avaliar e escolher o tratamento mais adequado. Se precisar, marque uma consulta comigo através dos canais abaixo: