Para que serve e quando ir à consulta pós-parto

Ginecologista e obstetra Dra Claudiani Branco fala sobre a consulta pós-parto.

A primeira consulta da mulher após o parto deve ser cerca de 7 a 10 dias após de nascimento do bebê, quando o ginecologista ou obstetra que a acompanharam durante a gravidez irá avaliar a recuperação depois do parto e o seu estado de saúde em geral.

Para que servem as consultas?

As consultas de acompanhamento da mulher após o nascimento do bebê são importantes para detectar problemas como anemia, infecção urinária, pressão alta, diabetes, problemas na tireoide e trombose, além de avaliar a amamentação e a recuperação da vagina, em caso de parto normal, e dos pontos da cirurgia, em caso de cesariana.

Essas consultas também ajudam a identificar infecções na mãe que podem acabar passando para o bebê, além de o médico conseguir avaliar o estado emocional da mãe e diagnosticar casos de depressão pós-parto, quando é necessário acompanhamento de psicoterapia.

Além disso, a consulta pós-parto também tem como objetivo avaliar o estado de saúde do recém-nascido, apoiar e orientar a mãe em relação à amamentação e orientar os cuidados básicos a ter com o recém-nascido, assim como avaliar a sua interação com a mãe.

Quando fazer as consultas

Em geral, a primeira consulta deve ser feita cerca de 7 a 10 dias depois do parto, quando o médico irá avaliar a recuperação da mulher e pedir novos exames. A segunda consulta ocorre no fim do primeiro mês, e depois a frequência diminui para cerca de 2 a 3 vezes por ano. No entanto, caso algum problema seja detectado, as consultas deverão ser mais frequentes, podendo também ser necessário o acompanhamento com outros profissionais, como um endocrinologista ou um psicólogo.

Ainda tem dúvidas? Entre em contato comigo através dos canais abaixo:

Escala de APGAR: o que é, para que serve e o que significa

A escala de APGAR, também conhecida como índice ou escore APGAR, é um teste feito no recém-nascido logo após o nascimento que avalia seu estado geral e vitalidade, ajudando a identificar se é necessário qualquer tipo de tratamento ou cuidado médico extra após o nascimento.

Ginecologista e obstetra Dra Claudiani Branco comenta a escala de APGAR

Esta avaliação é feita no primeiro minuto de nascimento e é repetida 5 minutos após o parto, tendo em consideração características do bebê como atividade, batimento cardíaco, cor, respiração e reflexos naturais.

Como é feita a escala de APGAR?

Na avaliação do índice de APGAR são considerados 5 grandes grupos de características do recém-nascido, que incluem:

1. Atividade (tônus muscular)

  • 0 = Músculos flácidos;
  • 1 = Dobra os dedos e movimenta os braços ou pernas;
  • 2 = Movimenta-se ativamente.

2. Batimento cardíaco

  • 0 = Sem batimento cardíaco;
  • 1 = Inferior a 100 batimentos por minuto;
  • 2 = Superior a 100 batimentos por minuto.

3. Reflexos

  • 0 = Não responde a estímulos;
  • 1 = Faz caretas quando estimulado;
  • 2 = Chora vigorosamente, tosse ou espirra.

4. Cor

  • 0 = O corpo tem coloração pálida ou azul-acinzentada;
  • 1 = Coloração rosada no corpo, mas azulada nos pés ou mãos;
  • 2= Coloração rosada em todo o corpo.

5. Respiração

  • 0 = Não respira;
  • 1 = Choro fraco com respiração irregular;
  • 2 = Choro forte com respiração regular.

Para cada grupo é dado o valor correspondente à resposta que melhor representa o estado do bebê no momento. No final, essa pontuação é somada para obter um valor único, que irá variar entre 0 e 10.

O que significa o resultado?

A interpretação do valor que surge após somar a pontuação de todas as dimensões deve ser sempre feita por um médico, no entanto, o normal é que um bebê saudável nasça, no mínimo, com uma pontuação de 7 ao primeiro minuto.

Este tipo de pontuação inferior a 10 no primeiro minuto de vida é bastante comum e acontece porque a maioria dos bebês precisa ser aspirado para retirar todo o líquido amniótico dos pulmões antes de conseguir respirar normalmente. No entanto, por volta dos 5 minutos é comum que o valor aumente para os 10.

O surgimento de uma pontuação inferior que 7, ao 1º minuto, é mais comum em bebês que nasceram:

  • Após uma gravidez de risco;
  • Por cesárea;
  • Após uma complicação no parto;
  • Antes das 37 semanas.

Nestes casos, a pontuação inferior não é motivo de preocupação, no entanto, deve aumentar após 5 minutos.

O que acontece quando o resultado é inferior?

A maior parte dos bebês com valor inferior a 7 na escala de APGAR é saudável e, por isso, esse valor aumenta ao longo dos primeiros 5 a 10 minutos de vida. No entanto, quando o resultado se mantém baixo pode ser necessário ficar internado numa unidade de neonatologia, para receber cuidados mais específicos e garantir que está se desenvolvendo da melhor forma possível.

O valor baixo de APGAR não prediz qualquer tipo de resultado sobre inteligência, personalidade, saúde ou comportamento da criança no futuro.

Tem mais dúvidas sobre a Escala APGAR? Entre em contato através dos canais abaixo: