Mitos e Verdades sobre nutrição das mulheres que querem engravidar

Alguns hábitos e consumos de alimentos precisam de atenção da mulher que pretende engravidar. A alimentação adequada também na fase pré-gestacional exerce um papel importante.

Ginecologista e Obstetra Dra Claudiani Branco comenta os mitos e verdades sobre nutrição e gravidez.

Mulheres que querem engravidar não podem consumir canela ou cúrcuma

Mito – O uso destes ingredientes como tempero, por exemplo canela na banana ou cúrcuma no frango, não prejudica a fertilidade da mulher. Porém, não devem ser suplementados na fórmula de cápsulas ou consumidos como chás e shots.

O consumo de álcool deve ser descontinuado antes da gravidez

Verdade– O álcool é prejudicial para a maturação dos ovócitos femininos e para a produção espermática no homem, por isso, deve ser descontinuado quando o casal decide engravidar.

Consumir chás naturais ajudam a engravidar

Mito – Os chás, por mais comum e naturais que sejam, apresentam compostos fitoterápicos que vão agir de formas diferentes no nosso organismo, podendo inclusive diminuir a fertilidade do casal. Por isso, é preciso orientações sobre chás permitidos no ciclo gravídico-puerperal.

O café deve ser evitado pelas mulheres que estão tentando engravidar

Verdade – Assim como o álcool, o consumo excessivo de cafeína pode reduzir as chances do casal engravidar. Por isso, deve ser descontinuado ou ter seu consumo reduzido quando o casal decide engravidar. A cafeína está presente nas bebidas que contêm café, em refrigerantes de cola, chás mate, verde e preto, além de energéticos. Quanto ao café, esse pode ser consumido sem preocupação se for descafeinado.

Grávidas vegetarianas precisam de um planejamento nutricional

Alimentação deve ser balanceada para a boa saúde da futura mamãe e do bebê

As gestantes que são vegetarianas ou veganas devem ter atenção em relação ao cuidado nutricional. O ideal é que essas mulheres tenham uma orientação individualizada e que considere o tipo de vegetarianismo que é seguido.

A alimentação vegetariana pode ser classificada em vegetarianos estritos, que não consomem laticínios ou ovos e nenhum tipo de carne; ovolactovegetarianos (consomem ovos e laticínios, mas não consomem nenhum tipo de carne); lactovegetariano (consomem laticínios, mas não consomem ovos nem carne). São considerados veganos quem não consome nem utiliza nenhum produto de origem animal. Essa modalidade envolve não só a alimentação, mas também vestuário ou qualquer atividade que envolva sofrimento animal (ex. espetáculos com animais).

As dietas vegetarianas balanceadas não trazem riscos para a saúde materna nem fetal. No entanto, é importante considerar o tipo de regime alimentar que é seguido, as quantidades e a variedade de alimentos que são consumidos para se estabelecer uma adequação da ingestão de nutrientes que são importantes no período gestacional.

As evidências científicas mostram que dietas vegetarianas bem balanceadas não apresentam riscos para a gestação. Entretanto, temos que ter atenção maior com as gestantes veganas e com os nutrientes que são encontrados principalmente em alimentos de fonte animal, como a vitamina B12, ferro, cálcio, colina, vitamina D e ômega-3.

Por isso, em algumas situações a suplementação ou o consumo de alimentos vegetarianos fortificados podem ser necessários para estas mulheres.

Vale lembrar que os cuidados adotados durante a gestação devem ser mantidos também no pós-parto. Devemos também ter atenção à proteína, cuja necessidade é maior para aquelas mulheres que amamentam. Ainda tem dúvidas? Fale comigo pelos canais abaixo: