Coceira nas mamas.

A coceira nas mamas é comum e geralmente acontece devido ao aumento dos seios por causa do ganho de peso, ressecamento da pele ou alergias, por exemplo, e desaparece depois de alguns dias.

A coceira nas mamas pode indicar algo sério, a Dra Claudiani Branco recomenda a consulta ao médico sempre que a coceira for persistente. Foto: Valeria Boltneva no Pexels.

No entanto, quando a coceira é acompanhada por outros sintomas, dura semanas ou não passa com o tratamento, é importante ir ao médico para que seja feito o diagnóstico, pois pode significar doenças mais graves, como o câncer de mama, por exemplo.

Principais causas

1. Alergia

A alergia é uma das principais causas de coceira nos seios, uma vez que essa região é sensível e, por isso, facilmente irritada. Assim, sabonetes, perfumes, cremes hidratantes, produtos de lavar roupa ou até mesmo tecido podem desencadear uma reação alérgica, resultando em coceira nos seios.

2. Aumento das mamas

O aumento das mamas devido à gravidez, ganho de peso ou puberdade também podem causar coceira, isso porque a pele estica devido ao inchaço, o que pode resultar em coceira persistente entre ou nas mamas.

O aumento das mamas devido à gravidez é normal devido à produção de hormônios que preparam a mulher para a amamentação. O aumento devido à puberdade também é normal devido às alterações hormonais. No caso do ganho de peso, as mamas podem aumentar devido ao acúmulo de gordura na região.

3. Pele seca

O ressecamento da pele também pode causar coceira na pele, e isso pode ser devido ao ressecamento natural da pele, à exposição prolongada ao sol, banhos com água muito quente ou ao uso de produtos que causam irritação na pele, por exemplo.

4. Doenças de pele

Algumas doenças de pele, como psoríase e eczema podem ter como sintoma a coceira nas mamas. Além da coceira, pode haver vermelhidão local, aparecimento de bolhas na pele, lesões descamativas e inchaço da região, e também pode acontecer em outros locais do corpo, como braços, pernas, joelhos e costas, por exemplo.

5. Infecção

Uma das causas de coceira entre e embaixo dos seios é a infecção por fungos, principalmente da espécie Candida sp., que encontra-se naturalmente no corpo, mas que pode proliferar-se quando o sistema imunológico está comprometido, por exemplo. Além da coceira nas mamas, é comum que exista vermelhidão da região, ardor, descamação e aparecimento de feridas de difícil cicatrização.

A coceira nas mamas devido à presença de fungos é mais comum em mulheres com mamas volumosas, pois a umidade na região causada por suor, por exemplo, ajuda no desenvolvimento do fungo, e em mulheres que estão em fase de amamentação, uma vez que o fungo presente na cavidade oral do bebê pode ser transmitido para o peito da mãe e, na falta de cuidados, pode causar infecção. Além dos fungos, a coceira nas mamas também pode ser devido à presença de bactérias, que podem estar presentes em sutiã sujo, por exemplo.

6. Doença de Paget

A doença de Paget da mama é um tipo raro de alteração na mama e que ocorre com mais frequência em mulheres a partir dos 50 anos. Os principais sinais indicativos da doença de Paget da mama são coceira na mama e no mamilo, alteração da forma do mamilo e sensação de queimação local.

Em casos mais avançados, pode haver ainda comprometimento da pele ao redor da aréola e ulceração do mamilo, sendo importante que o diagnóstico e o tratamento sejam feitos o mais breve possível para evitar complicações. 

7. Câncer de mama

Em casos raros, a coceira nas mamas pode ser indicativo de câncer de mama, principalmente quando acompanhada por outros sintomas, como erupção cutânea, aumento da sensibilidade na região, vermelhidão, aparência de “casca de laranja” na pele da mama e saída de secreção no mamilo, por exemplo. 

Quando ir ao médico

É recomendado ir ao médico quando a coceira é muito intensa, dura semanas e quando a coceira não melhora mesmo com o tratamento adequado. Além disso, é importante consultar o médico quando a coceira vem acompanhada por outros sintomas, como vermelhidão, inchaço da região, aumento da sensibilidade da mama, dor, alteração da pele da mama ou saída de secreção pelo mamilo, por exemplo.

Tem mais dúvidas? Fale comigo através dos canais abaixo:

Como é a consulta com o ginecologista?

Olá meninas! Vejo algumas mulheres que gostariam de saber como são as consultas e os exames no consultório. Coloquei aqui algumas informações que podem ajudar.

Os exames no consultório são fundamentais para a prevenção de doenças e cuidado da saúde sexual e reprodutiva da mulher. A consulta ginecológica deve ser realizada uma vez ao ano, no mínimo.

Os exames que podem ser realizados no consultório ginecológico são:

  • Toque vaginal;
  • Exame especular;
  • Exame clínico das mamas;
  • Papanicolau;
  • Colposcopia;
  • Vulvocospia;
  • Videocolposcopia. 

Toque Vaginal:

Exame realizado para analisar principalmente a vagina, o colo e o corpo do útero. O médico ginecologista introduz dois dedos na vagina e, ao mesmo tempo, coloca a outra mão sob o abdômen. Assim, pode sentir o colo do útero, e por meio de movimentos de ambas as mãos examinam-se o útero, as trompas e os ovários. É fundamental para o diagnóstico de endometriose e da doença inflamatória pélvica. Mulheres virgens não podem realizar esse exame.

Exame especular:

Introduz-se um espéculo no canal vaginal para avaliar a cor e aspecto da vagina e do colo do útero (se há lesões, inflamações); presença de corrimento; e presença de hemorragias. O ideal é utilizar um espéculo descartável.

Exame clínico das mamas:

Realizado para examinar as mamas, a fim de encontrar sinais e sintomas de doenças. O médico repete os mesmos procedimentos realizados pela paciente no autoexame das mamas.

Papanicolau:

Através do material colhido no Papanicolau, é possível analisar células da vagina para detectar inflamações, displasias e doenças como HPV e o câncer de colo do útero. No exame, o médico ginecologista realiza a coleta de material (células e secreções) e encaminha para um laboratório.

Colposcopia:

Permite visualizar a vagina e o colo do útero por meio de um aparelho chamado colposcópio. Esse aparelho permite o aumento da visualização de 10 a 40 vezes o tamanho normal. É realizado fora do período menstrual. Para a realização desse exame, recomenda-se a abstinência sexual por 48 horas. Durante este exame são usados produtos químicos para realçar as áreas que serão examinadas. É indicada para mulheres que apresentam resultado anormal no Papanicolau.

Vulvocospia:

É realizada com o colposcópio, por meio do qual é examinada a Vulva.

O ideal no momento da consulta é não estar menstruada, a não ser que o motivo da consulta seja alguma sangramento anormal.

Importante!

O ginecologista nada mais é que um médico clínico da mulher, muitas vezes é ele quem descobre alguma patologia de outra especialidade, encaminhando ao especialista que dará continuidade ao tratamento, seja com medicamentos ou cirurgias.

Por isto que é necessário que haja muita empatia entre paciente e ginecologista, pois este profissional se torna um confidente dos problemas que as mulheres possam ter.

E então, já foi ao seu ginecologista este ano? Converse comigo em caso de mais dúvidas:

OUTUBRO ROSA: Conscientização

Chegou o momento de conscientização do câncer de mama, diagnosticar precocemente aumenta significantemente as chances de cura, 95% dos casos identificados em estágio inicial têm possibilidade de cura.

A conscientização é o caminho mais calmo e controlável na prevenção ao câncer de mama.

O câncer de mama, como o próprio nome diz, afeta as mamas, que são glândulas formadas por lobos, que se dividem em estruturas menores chamadas lóbulos e ductos mamários.

Os seus cuidados preventivos, a conscientização e o investimento em novas pesquisas sobre sobre o câncer de mama ajudam a criar diversos avanços na detecção, diagnóstico e tratamento da doença.

Para maiores esclarecimentos, entre em contato comigo.