Transtorno da Excitação Feminina

Transtorno da Excitação Feminina é uma condição que afeta mulheres sexualmente ativas de todas as idades. A Dra Claudiani Branco conversou com especialistas que tem solução para o problema.

Muitas mulheres não encontram satisfação nas situações de intimidade por conta do transtorno de excitação feminina, que dificulta a lubrificação e o relaxamento da musculatura lisa vaginal. Esse transtorno é apenas um dos muitos Distúrbios Sexuais Femininos, mas existem tratamentos que podem ajudar a mulher.

Agora também para o combate ao transtorno da excitação feminina podemos contar com – Alprostadil Fagron.

Alprostadil Fagron é o ativo de aplicação tópica que traz benefícios a mulheres que sofrem de Transtorno da Excitação Feminina.

Alprostadil Fagron é o ativo de aplicação tópica que traz benefícios como:

  • Estímulo da vasodilatação local, aumentando o fluxo sanguíneo vaginal/clitoridiano.
  • Atuação nos quimiorreceptores, facilitando os reflexos nervosos relacionados à função sexual.
  • Melhora de mais de 50% nas taxas de satisfação em pessoas com transtorno de excitação feminina, de acordo com estudos clínicos.
  • Uso tópico em via transdérmica, para melhor absorção pelo organismo.

Na apresentação de  Pentravan® que é um veículo transdérmico promotor de permeação cutânea de alta performance desenvolvido por tecnologia lipossomal. Ele é aplicado sobre a região dos pequenos lábios, região vulvar e clítoris. 

Os efeitos vasodilatadores do Alprostadil iniciam-se logo após aplicação auxiliando na excitação sexual, e a maior taxa de sucesso da excitação ocorre 15 a 30 minutos após a aplicação.

Alprostadil Fagron em Pentravan® é uma alternativa com elevada eficácia e conforto terapêutico para pacientes de todas as faixas etárias.

Quer mais informações sobre o transtorno da excitação feminina? Converse com a minha equipe:

Higiene Íntima na Medida Certa

A falta ou o excesso de higiene íntima podem ser prejudiciais à saúde da vagina, desequilibrando o grau de acidez (PH) que controla a ação de bactérias, e consequentemente, resultando em inúmeras doenças.

A parte externa da vagina, que compreende a vulva, é uma região que acumula suor, gordura, umidade, células mortas e urina, muito propensas ao mal cheiro e complicações como fungos e bactérias, que causam coceiras e corrimentos. Veja algumas dicas:

1) Evitar duchas vaginais: As duchas vaginais devem ser evitadas, porque podem alterar o pH e a flora vaginal, podendo tornar a vagina mais suscetível a infecções.

2) Não usar lenços umedecidos ou papel higiênico perfumado: Os lenços umedecidos e o papel higiênico perfumado devem apenas ser usados em casos de extrema necessidade, quando se está fora de casa, por exemplo, e poucas vezes por dia, pois quando usados em excesso podem provocar secura na vagina e irritações, eliminando a lubrificação natural da região genital, além de também poder interferir no pH.

3) Não exagerar na depilação: A depilação total favorece o crescimento de micro-organismos e causa maior corrimento vaginal, facilitando o aparecimento de doenças. Além disso, a depilação com gilete e produtos para depilação destroem a camada protetora da pele e contribuem para reduzir a sua lubrificação natural. Não é aconselhável o uso destes produtos mais de 3 vezes na semana.

O que fazer?

A limpeza ideal dever ser feita com um sabonete hipoalergênico nas áreas que compreendem o monte púbico, a pele da vulva, raiz das coxas, região perianal (entre a vulva e o ânus) e ao interior dos grandes e dos pequenos lábios. Com uma pequena quantidade de sabonete nas pontas dos dedos, suaves movimentos circulares devem contemplar todas as dobras, seguida de enxague abundante com água corrente para a retirada dos resíduos. Uma toalha seca e limpa, finaliza a higienização.

Logo após contato íntimo deve-se tentar urinar para evitar o surgimento de infecções urinárias, pois a uretra fica muito próxima a vagina. Em seguida lavar com sabonete e água abundante.