Dispareunia e Fisioterapia

Dra Claudiani Branco Ginecologista fala sobre a Dispareunia causada pela Endometriose. Imagem: Keenan Constance no Unsplash.

A dispareunia, caracterizada pela dor durante o contato íntimo, é um desdobramento muito comum das disfunções osteomusculares em função da endometriose. 

endometriose é uma doença difícil de ser diagnosticada. Estimativas apontam que transcorrem cerca de 10 anos entre o início dos sintomas, o diagnóstico correto e, finalmente, o tratamento.

Durante todo esse tempo, a paciente convive com dores severas sem diagnóstico, o que muitas vezes resulta em complicações secundárias como as disfunções psicológicas e musculoesqueléticas.

As alterações ósseas, musculares e articulares representam agravamento e perpetuação dos sintomas da dor. 

Problemas com a musculatura do períneo ou nas articulações sacro-ilíacas e seus respectivos ligamentos também prejudicam as pacientes em sua vida sexual, afinal tais disfunções podem irradiar dores para o períneo ou vagina.

Inclusive, a adoção da postura antálgica (realizada por indivíduos no intuito de evitar ou diminuir a dor) por longos períodos de tempo também podem ocorrer junto com os sintomas citados acima.

O desequilíbrio da musculatura é capaz de aplicar força de alongamento constante sobre os músculos do assoalho pélvico que, por sua vez, pode causar a flacidez desses grupos musculares e intensificar quadros de dispareunia mesmo durante ou depois dos tratamentos da doença.

A fisiologia pélvica é comprometida pelas tentativas instintivas de ajustar o corpo para evitar a dor. Quadris, membros inferiores e a própria pelve, quando desalinhadas, causam danos fisiológicos e disfunções dos músculos do assoalho pélvico.

A Dispareunia

A dispareunia pode ser dividida em dois tipos: dispareunia superficial e a dispareunia profunda. Em alguns casos, pode ocorrer também a dispareunia tardia, que acontece depois das relações sexuais.

Em pacientes com endometriose, principalmente profunda, identificamos geralmente a dispareunia de profundidade. Ela é resultado da inflamação e distensão dos tecidos da pelve que podem causar útero em retroversão fixa, pressão sobre os ovários ou prejuízos aos ligamentos uterossacros e da região retrocervical.

Por causa da dispareunia, muitas pacientes têm sua satisfação sexual prejudicada ou mesmo optam pela abstinência das relações sexuais.

O Tratamento da Dispareunia

Fisioterapeutas especializados em saúde feminina podem indicar diferentes métodos de tratamento para as pacientes com disfunções nos músculos do assoalho pélvico e com alterações posturais desencadeadas pela endometriose e pela dor pélvica crônica.

O objetivo do tratamento é normalizar o tônus muscular, aumentar a consciência corporal e propriocepção da musculatura pélvica, diminuir os pontos de dor na vagina e melhorar o padrão postural das pacientes.

A liberação miofacial é um dos métodos terapêuticos mais utilizados pois possibilita a liberação das camadas profundas das fáscias, o que favorece a troca de viscosidade das camadas miofasciais de um músculo para o outro, bem como a composição das interligações fibrosas das regiões afetadas.

Com o acompanhamento correto é possível tonificar os músculos e dessensibilizar os pontos de dor que causam a dispareunia e tantas outras disfunções musculoesqueléticas.

Assim sendo, reduzir os quadros dolorosos e possibilitar melhorias significativas na qualidade de vida das pacientes é possível com o auxílio de fisioterapeutas capacitados.

Mais dúvidas sobre esse assunto? Entre em contato comigo pelos canais abaixo:

Mais sobre Endometriose

Endometriose é uma doença que afeta entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva e há 30% de chance de essas mulheres terem dificuldade de engravidar. A endometriose é caracterizada pela presença do endométrio (parede do útero) fora da cavidade uterina, podendo aparecer em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestino e bexiga.

Os principais sintomas da endometriose são dor e infertilidade. Há relatos de mulheres com endometriose que sofrem com dores incapacitantes enquanto outras sofrem apenas desconforto. Abaixo alguns outros sintomas:

  • Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação;
  • Dor pré-menstrual;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Dor difusa ou crônica na região pélvica;
  • Fadiga crônica e exaustão;
  • Sangramento menstrual intenso ou irregular;
  • Alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação;
  • Dificuldade para engravidar e infertilidade.

Existem diversos tratamentos para a endometriose. Converse com seu ginecologista!

Endometriose

Patologia em que o tecido endométrio, que normalmente reveste o útero cresce fora do útero. Na endometriose o tecido pode estar presente nos ovários, nas tubas uterinas, bexiga ou no intestino.

Comparação entre um útero saudável e um útero com áreas afetadas pela Endometriose.
Comparação entre um útero saudável e um útero com áreas afetadas pela Endometriose.

A endometriose pode comprometer a fertilidade da mulher, é umas das principais causas de infertilidade e pode comprometer muito a qualidade de vida pois pode causar dor antes ou durante a menstruação e na relação sexual, mas muitas vezes ela é assintomática.

Diante da suspeita, o exame ginecológico clínico é o primeiro passo para o diagnóstico, que pode ser confirmado pelos seguintes exames laboratoriais e de imagem: visualização das lesões por laparoscopia, ultrassom endovaginal, ressonância magnética e um exame de sangue chamado marcador tumoral CA-125, que se altera nos casos mais avançados da doença. O diagnóstico de certeza, porém, depende de uma biópsia.

A endometriose é uma doença crônica que regride espontaneamente com a menopausa, em razão da queda na produção dos hormônios femininos.

Mulheres mais jovens podem valer-se de medicamentos que suspendem a menstruação: a pílula anticoncepcional tomada sem intervalos e os análogos do GnRH. O inconveniente é que estes últimos podem provocar efeitos colaterais adversos.

Lesões maiores de endometriose, em geral, devem ser retiradas cirurgicamente. Quando a mulher já teve os filhos que desejava, a remoção dos ovários e do útero pode ser uma alternativa de tratamento.

Procure o ginecologista para avaliar e escolher o tratamento mais adequado. Se precisar, marque uma consulta comigo através dos canais abaixo: