Cisto na mama pode virar câncer?

O cisto na mama, também conhecido por cisto mamário, é uma alteração quase sempre benigna que aparece na maior parte das mulheres, entre os 15 e os 50 anos de idade. A maioria dos cistos de mama são do tipo simples e, por isso, são preenchidos apenas por líquido, não trazendo qualquer perigo para a saúde.

Ginecologista Dra Claudiani Branco esclarece a dúvida sobre cisto na mama e câncer de mama no OUtubro Rosa.

No entanto, existem mais dois tipos principais de cistos:

  • Cisto mamário espesso: contém um líquido mais espesso, semelhante à gelatina;
  • Cisto mamário de conteúdo sólido: tem no seu interior uma massa dura.

Destes tipos de cisto, o único que apresenta algum risco de virar câncer é o cisto sólido, que também pode ser conhecido como carcinoma papilífero, e que precisa ser avaliado através de biópsia para identificar se existem células cancerígenas no seu interior.

Na maioria das vezes, o cisto não dói e dificilmente é percebido pela mulher. Em geral, só se percebe um cisto na mama quando ele é muito grande e a mama fica mais inchada e mais pesada.

Como diagnosticar o cisto de mama

O cisto na mama pode ser diagnosticado através do ultrassom mamário ou da mamografia, e não requer tratamento específico. No entanto, mulheres que possuem um cisto muito grande que causam dor e desconforto podem beneficiar-se de uma punção para a retirada do líquido que forma o cisto, dando um fim ao problema.

É importante também fazer regularmente o auto-exame da mama.

Quando o cisto na mama pode ser grave

Quase todos os cistos da mama são benignos e, por isso, o risco de desenvolver câncer a partir dessa alteração é muito baixo. No entanto, todos os cistos sólidos devem ser avaliados através de uma biópsia, já que possuem algum risco de ser câncer.

Além disso, o cisto também pode ser analisado por biópsia se estiver aumentando muito de tamanho ou se surgirem sintomas que possam indicar câncer como:

  • Coceira frequente na mama;
  • Liberação de líquido pelos mamilos;
  • Aumento de tamanho de uma das mamas;
  • Alterações na pele da mama.

Mesmo que todos os exames indiquem que o cisto é benigno, a mulher deve fazer a mamografia 1 a 2 vezes por ano, de acordo com a orientação do seu médico, pois continua a apresentar o mesmo risco que qualquer outra mulher de ter câncer da mama.

Caso tenha mais dúvidas, não deixe de me contactar através dos canais abaixo:

Displasia mamária: o que é, sintomas e tratamento

Ginecologista Dra Claudiani Branco fala sobre a Displasia Mamária no Outubro Rosa, mês de combate ao Câncer de Mama.

A displasia mamária, também chamada de alteração funcional benigna da mama ou alteração fibrocística benigna da mama, caracteriza-se por alterações nas mamas como dor, edema, espessamento e nódulos que, geralmente, aumentam no período pré-menstrual devido à variação dos hormônios femininos.

Na maioria dos casos a displasia mamária não necessita de tratamento, já que os sintomas melhoram após a menstruação. No entanto, caso os sintomas sejam muito desconfortáveis, o médico pode indicar o uso de analgésicos ou anti-inflamatórios, além de suplementação de vitamina E em alguns casos.

Principais sintomas

Os sintomas de displasia mamária são mais comuns de serem notados no período pré-menstrual, isso porque há maior alteração nos níveis hormonais que podem acabar por ter ação sobre as mamas, resultando no acúmulo de fluido nos tecidos mamários e levando ao aparecimento dos sinais e sintomas, sendo os principais:

  • Dor nas mamas;
  • Edema das mamas;
  • Endurecimento das mamas;
  • Sensibilidade nas mamas;
  • Desenvolvimento de nódulos mamários.

A displasia mamária geralmente ocorre após a adolescência, sendo mais frequente em mulheres que não têm filhos. Durante a amamentação, a displasia mamária melhora e pode voltar a ocorrer na menopausa, principalmente se a mulher não estiver realizando reposição hormonal.

Displasia mamária pode virar câncer?

A displasia mamária não leva ao câncer, isso porque é caracterizada por alterações causadas pelo acúmulo de líquidos no tecido mamário que resultam em sinais e sintomas inflamatórios, não sendo observada alterações nas células, o que poderia aumentar o risco de câncer.

No entanto, na presença de nódulos mamários identificados durante o auto-exame é importante consultar o ginecologista ou mastologista para que seja feita uma avaliação mais detalhada e possam ser identificadas as características desse nódulo e, assim, concluir se é benigno ou não.

Tratamento para displasia mamária

A displasia mamária não é uma doença e, por isso, não existe tratamento. No entanto, os sintomas podem ser bastante desconfortáveis e, por isso, o ginecologista pode indicar o uso de medicamentos hormonais e remédios analgésicos e anti-inflamatórios.

Além disso, o médico também pode prescrever um suplemento de vitamina E para complementar o tratamento, pois esta vitamina ajuda na produção e equilíbrio dos hormônios femininos. Em alternativa, a mulher também pode aumentar o consumo de alimentos ricos em vitamina E como óleo de gérmen de trigo, sementes de girassol ou avelã, por exemplo. 

Para aliviar a dor e os sintomas, é importante também que a mulher evite alimentos com sal e com cafeína, como café, chocolates, chá e Coca-Cola, aumente a ingestão de líquidos e use sutiãs largos e que sustentam melhor as mamas.

Não deixe de esclarecer mais dúvidas sobre a displasia conversando comigo nos canais abaixo:

Fibroadenoma: o que é, sintomas e relação com câncer de mama

Ginecologista Dra Claudiani Branco comenta sobre o aparecimento do Fibroadenoma e o que isso significa na relação com o câncer de mama.

Principais sinais e sintomas

O principal sinal do fibroadenoma da mama é o surgimento de um nódulo que:

  • Tem forma redonda;
  • É duro ou com consistência de borracha;
  • Não provoca dor ou incômodo.

Quando a mulher sente um nódulo durante o autoexame da mama deve consultar um mastologista para fazer uma avaliação e descartar o câncer de mama.

Qualquer outro sintoma é extremamente raro, embora algumas mulheres possam referir um ligeiro desconforto na mama nos dias imediatamente antes da menstruação.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do fibroadenoma na mama normalmente é feito por um mastologista com a ajuda de exames de diagnóstico, como a mamografia e o ultrassom mamário.

Existem diferentes tipos de fibroadenoma da mama:

  • Simples: normalmente tem menos de 3 cm, contém apenas um tipo de células e não aumenta o risco de câncer;
  • Complexo: contém mais que um tipo de células e aumenta muito ligeiramente o risco de ter um câncer de mama;

Além disso, o médico pode ainda referir que o fibroadenoma é juvenil ou gigante, o que significa que tem mais de 5 cm, o que é mais comum depois da gravidez ou quando se está fazendo terapia de reposição hormonal.

Qual a relação entre fibroadenoma e o câncer da mama?

Na maioria dos casos, o fibroadenoma e o câncer da mama não estão relacionados, já que o fibroadenoma é um tumor benigno, ao contrário do câncer, que é um tumor maligno. No entanto, e segundo alguns estudos, mulheres que apresentam o tipo de fibroadenoma complexo podem ter até 50% mais chances de desenvolver câncer da mama no futuro.

Isso quer dizer que ter um fibroadenoma não significa que se vá ter câncer da mama, uma vez que mesmo mulheres que não tenham qualquer tipo de fibroadenoma também apresentam risco de ter câncer. Assim, o ideal é que todas as mulheres, com ou sem fibroadenoma, façam o autoexame da mama regularmente para identificar alterações na mama, assim como realizem a mamografia pelo menos 1 vez a cada 2 anos para identificar sinais precoces de câncer.

O que causa o fibroadenoma

O fibroadenoma da mama ainda não tem um causa específica, no entanto, é possível que surja devido a um aumento da sensibilidade do organismo ao hormônio estrogênio. Dessa forma, mulheres que estão tomando anticoncepcional parecem ter um maior risco de desenvolver um fibroadenoma, especialmente se iniciarem seu uso antes dos 20 anos de idade.

Como é feito o tratamento

O tratamento para fibroadenoma da mama deve ser orientado por um mastologista, mas normalmente é feito apenas com mamografias e ultrassonografias anuais para vigiar o desenvolvimento do nódulo, já que pode desaparecer sozinho após a menopausa. Porém, caso o médico suspeite que o nódulo possa na verdade ser um câncer em vez de fibroadenoma, pode recomendar cirurgia para retirar o fibroadenoma e fazer uma biópsia que confirme o diagnóstico.

Se ficaram dúvidas sobre assunto, converse comigo através de um dos canais abaixo:

Calcificação da mama: o que é, causas, tipos e tratamento

Ginecologista Dra Claudiani Branco fala sobre a calcificação de mama e por que isso é importante no combate ao câncer de Mama

A calcificação da mama acontece quando pequenas partículas de cálcio se depositam espontaneamente no tecido mamário, o que pode acontecer devido ao envelhecimento, ser consequência de implantes mamários ou infecção na mama, ou ser sinal de câncer de mama.

De acordo com o tamanho, as calcificações podem ser classificadas em microcalcificações, que estão associadas mais frequentemente a malignidade, e macrocalcificações, que são tipicamente benignas. Em ambos os casos, é importante que sejam feitos exames de imagem, como ultrassonografia ou mamografia, para que sejam verificadas as suas características.

As calcificações mamárias normalmente não geram sintomas, podendo ser identificadas nos exames de rotina. A partir da avaliação das características das calcificações, o médico pode estabelecer a melhor forma de tratamento, sendo normalmente indicado nas calcificações suspeitas de malignidade a remoção cirúrgica, uso de medicamentos e/ ou radioterapia. 

Possíveis causas

Uma das principais causas de calcificação na mama é o envelhecimento, em que as células da mama passam por um processo degenerativo gradual. Além do envelhecimento, outras possíveis causas do aparecimento de calcificações na mama são:

  • Restos de leite materno;
  • Infecção na mama;
  • Ferimentos na mama;
  • Pontos ou implantação de silicone nas mamas;
  • Fibroadenoma.

Apesar de ser na maioria das vezes um processo benigno, o depósito de cálcio no tecido mamário pode ser um sinal do câncer de mama, devendo ser investigado e tratado pelo médico caso haja necessidade. 

Sintomas de calcificação na mama

A presença de microcalcificações na mama não leva ao aparecimento de sinais ou sintomas e nem mesmo conseguem ser palpadas durante a realização do autoexame da mama, por exemplo, sendo apenas descoberta durante a realização de exames de imagem. No entanto, em alguns casos podem ser notados outros sintomas como coceira na mama, liberação de líquidos ou mudança na cor e na forma do mamilo, o que pode ser sinal de câncer de mama, que deve ser investigado pelo médico.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico das calcificações mamárias normalmente é feito por meio de exames de rotina, como a mamografia e a ultrassonografia de mama. A partir da análise do tecido mamário, o médico pode optar por realizar a biópsia da mama, que é feito por meio da retirada de um pequeno fragmento do tecido da mama e enviado ao laboratório para análise, podendo ser identificadas células normais ou neoplásicas.

De acordo com o resultado da biópsia e dos exames solicitados pelo médico, é possível verificar a gravidade da calcificação e estabelecer o melhor tratamento. Este é indicado para mulheres que apresentam calcificações suspeitas de malignidade, sendo recomendada a remoção cirúrgica das calcificações, uso de medicamentos ou realização de radioterapia.

Tipos de calcificação

De acordo com as características observadas na mamografia ou ultrassom mamários, as calcificações podem ser classificadas em:

  • Calcificação benigna, que é caracterizada por macrocalcificações de formato regular e bordas bem definidas;
  • Calcificação provavelmente benigna, em que as macrocalcificações possuem aspecto amorfo;
  • Calcificação suspeita de malignidade, em que podem ser observadas microcalcificações agrupadas;
  • Calcificação altamente suspeita de malignidade, que é caracterizada pela presença de microcalcificações de tamanhos variados, de alta densidade e com ramificações.

A classificação dos tipos de calcificação é fundamental para que o médico indique o tratamento mais adequado, principalmente nos casos de suspeita de malignidade.

Como é feito o tratamento

O tratamento para a calcificação na mama depende das características das calcificações. Normalmente, nos casos de calcificação com características benignas, é feito apenas monitoramento, sendo recomendado que a mulher realize uma mamografia pelo menos 1 vez por ano ou de acordo com a orientação do mastologista.

Nos casos, em que as calcificações apresentam formato mais irregular ou assimetria, é indicada a realização de biópsia da calcificação para verificar se há probabilidade de ser sinal de da presença de um nódulo ou tumor. Além disso, caso no exame de imagem sejam notadas ramificações na calcificação, é indicada a realização de biópsia e, caso seja verificada malignidade, realização de cirurgia para remover a calcificação, que pode ser complementada pela realização de radioterapia e/ou uso de medicamentos, em alguns casos.

A calcificação pode virar câncer?

A calcificação não pode virar câncer, pois corresponde à deposição de cálcio no tecido mamário e não devido à proliferação anormal de células. No entanto, a presença de calcificação pode ser um sinal de câncer, principalmente quando são notadas na mamografia ou ultrassom mamários vários pontos de calcificação de formato irregular, assimétrico e com ramificações.

Mais dúvidas? Converse comigo sobre calcificação das mamas através dos canais abaixo:

Exame BRCA1 e BRCA2 para câncer de mama

Ginecologista Dra Claudiani Branco comenta sobre os exames BRCA1 e BRCA2 para prevenção ao Câncer de Mama no Outubro Rosa.

O teste genético para o câncer de mama possui como objetivo principal verificar o risco de desenvolvimento do câncer de mama, além de permitir que o médico saiba qual a mutação associada à alteração cancerígena.

Esse tipo de teste normalmente é indicado para pessoas que possuem parentes próximos que foram diagnosticados com câncer de mama antes dos 50 anos de idade, câncer de ovário ou câncer de mama masculino. O teste consiste em um exame de sangue que, por meio de técnicas de diagnóstico molecular, identifica uma ou mais mutações associadas à susceptibilidade ao câncer de mama, sendo os principais marcadores solicitados no teste o BRCA1 e o BRCA2.

Como é feito

O teste genético para câncer de mama é feito a partir da análise de uma pequena amostra de sangue, que é enviada para o laboratório para análise. Para fazer o exame não é necessário preparação especial e nem jejum e não causa dor, o máximo que pode acontecer é um leve desconforto no momento da coleta.

Esse teste tem como objetivo principal avaliar os genes BRCA1 e BRCA2, que são genes supressores de tumor, ou seja, impedem que as células cancerígenas se proliferem. No entanto, quando há mutação em algum desses genes, a função de parar ou atrasar o desenvolvimento do tumor é prejudicada, havendo a proliferação das células tumorais e, consequentemente, desenvolvimento do câncer.

O tipo de metodologia e mutação a ser pesquisada é definida pelo médico, podendo ser indicada a realização de:

  • Sequenciamento completo, em que é visto todo o genoma da pessoa, sendo possível identificar todas as mutações que possui;
  • Sequenciamento por genoma, em que apenas regiões específicas do DNA é sequenciado, identificando mutações presentes naquelas regiões;
  • Pesquisa de mutação específica, em que o médico indica qual a mutação que deseja saber e são feitos testes específicos que permitem identificar a mutação desejada, sendo esse método mais indicado para pessoas que possuem familiares com alguma alteração genética já identificada para câncer de mama;
  • Pesquisa isolada de inserções e deleções, em que são verificadas alterações em genes específicos, sendo essa metodologia mais indicada para quem já fez o sequenciamento, mas necessita de complementação.
  • O resultado do teste genético é enviado para o médico e no laudo consta o método utilizado de detecção, bem como a presença dos genes e da mutação identificada, caso esteja presente. Além disso, dependendo da metodologia utilizada, pode ser informado no laudo o quanto a mutação ou gene está expresso, o que pode ajudar o médico a verificar o risco de desenvolvimento de câncer de mama.

Exame Oncotype DX

  • O exame Oncotype DX também é um exame genético para o câncer de mama, que é feito a partir da análise do material de biópsia da mama, e tem como objetivo avaliar os genes relacionados com o câncer de mama através de técnicas de diagnóstico molecular, como a RT-PCR. Dessa forma, é possível que o médico indique qual o melhor tratamento, podendo a quimioterapia ser evitada, por exemplo. 
  • Esse exame consegue identificar o câncer de mama em estágios iniciais e verificar qual o grau de agressividade e como seria a resposta ao tratamento. Assim, é possível que seja feito um tratamento mais direcionado para o câncer, evitando os efeitos colaterais da quimioterapia, por exemplo.

Quando fazer

O exame genético para o câncer de mama é recomendado para pessoas que possuem familiares diagnosticados com câncer de mama, feminino ou masculino, antes dos 50 anos ou câncer de ovário em qualquer idade. Por meio desse teste, é possível saber se há a presença de mutações no BRCA1 ou no BRCA2 e, assim, ser possível verificar a chance de desenvolvimento de câncer de mama.

Normalmente quando há indicação da presença de mutações nesses genes, é provável que a pessoa desenvolva câncer de mama ao longo da vida. Cabe ao médico identificar o risco de manifestação da doença para que sejam adotadas medidas de prevenção de acordo com o risco de desenvolvimento da doença.

Possíveis resultados

O teste genético é dito positivo quando é verificada a presença de mutação em pelo menos um dos genes, mas não indica necessariamente se a pessoa irá ter ou não câncer e nem a idade em que isso pode acontecer, sendo necessária a realização de testes quantitativos.

No entanto, quando é detectada uma mutação no gene BRCA1, por exemplo, há chance de até 81% de desenvolvimento do câncer de mama, sendo recomendado que a pessoa faça ressonância magnética anualmente, além de poder fazer a mastectomia como forma de prevenção.

O teste genético negativo é aquele em que não foram verificadas qualquer mutação nos genes analisados, mas ainda assim há chance de desenvolvimento de câncer, apesar de muito baixo, sendo necessário acompanhamento médico por meio da realização de exames regulares.

Tem mais dúvidas sobre os exames? Converse comigo através dos canais abaixo:

Nota técnica de esclarecimento sobre vacinação contra COVID-19 e mamografia

Comissão Nacional de Mamografia- CBR, SBM e FEBRASGO

Ginecologista Dra Claudiani Branco fala sobre a relação entre a vacina contra a COVID-19 e mamografia em nota de esclarecimento da comissão Nacional de Mamografia.

Recentemente a Comissão Nacional de Mamografia que reúne representantes do Colégio Brasileiro de Radiologia, da Sociedade Brasileira de Mastologia e da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia publicou orientações em relação à realização da mamografia e a vacinação contra a Covid-19. Nessa nota gostaríamos de esclarecer algumas dúvidas e notícias falsas publicadas em redes sociais que tem funcionado como barreiras ao rastreamento do câncer de mama e a vacinação contra Covid 19:

  1. As vacinas contra Covid-19 NÃO causam câncer de mama ou quaisquer outras doenças na mama. 
  2. As vacinas contra Covid-19 algumas vezes causam inchaço passageiro de gânglios embaixo do braço que podem aparecer nos exames de mamografia, ultrassonografia e ressonância magnética das mamas. Por isso, quando fizer seus exames de mama informe se foi vacinada, quando e em qual braço tomou a vacina para evitar equívocos de interpretação por parte do médico.
  3. Inchaço transitório de gânglios embaixo do braço também pode ocorrer com outras vacinas, após depilação a laser da axila e inflamações no ombro, entre outras causas. Trata-se de uma reação de defesa normal do corpo.
  4. As pacientes que foram vacinadas contra Covid-19, em particular aquelas que estiverem com atraso na realização da sua mamografia rotina, NÃO devem postergar ainda mais o exame de mamografia. Em 2020, entre 30% e 50% das mulheres deixaram de realizar suas mamografias devido a pandemia de Covid 19. Estima-se que esse retardo terá impacto futuro na mortalidade pelo câncer de mama.
  5. Aguardar quatro semanas após a vacinação é uma sugestão para mulheres com os exames em dia quando este prazo não prejudicar sua avaliação para o diagnóstico de câncer de mama. 
  6. Em hipótese nenhuma mulher com câncer de mama diagnosticado ou com sintomas que possam representar câncer de mama como, por exemplo, nódulos palpados ou saída de líquido no mamilo devem retardar sua avaliação médica e os exames solicitados por terem sido vacinadas recentemente. 
  7. Por fim, no atual contexto da pandemia NENHUMA mulher deve abdicar da vacinação por medo de que ela possa causar doenças na mama ou afetar seus exames na mama. E NENHUMA mulher deve abdicar de realizar seus exames de rastreamento do câncer de mama, pois lembramos que ele ainda é o mais frequente entre as mulheres no Brasil e no mundo.

Tem mais dúvidas? Converse comigo através dos canais abaixo:

Outubro Rosa: INCA lança a campanha de prevenção ao câncer de mama

Ginecologista Dra Claudiani Branco comenta sobre o Outubro Rosa e a campanha de prevenção ao câncer de mama do INCA.

Em 2020, mais de 2,3 milhões de mulheres no mundo descobriram que estavam com câncer de mama. Esse tipo de tumor é o que mais acomete a população feminina brasileira e representa cerca de 24,5% de todos os tipos de neoplasias diagnosticadas. Também é o câncer que mais mata. Para alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância fundamental da prevenção e do diagnóstico precoce da doença, nesta sexta-feira (1º) o Ministério da Saúde lança a campanha do Outubro Rosa.

No evento, técnicos do INCA vão detalhar os custos atualizados do câncer de mama para o Sistema Único de Saúde (SUS) e mostrar que hábitos saudáveis também ajudam na redução de riscos, e gastos, em oncologia.

 No Brasil, em 2020, cerca de oito mil casos de câncer de mama tiveram relação direta com fatores comportamentais, como consumo de bebidas alcoólicas, excesso de peso, não ter amamentado e inatividade física. O número representa 13,1% dos 64 mil casos novos de câncer de mama em mulheres com 30 anos e mais, em todo o País, de acordo com dados do INCA.

Em outro recorte, relativo a 2018, o estudo retrata que o gasto para tratamento da doença no SUS passou dos R$ 813 milhões. Os quatro principais fatores de risco representaram 12,6% de todo o custo, ou R$102,5 milhões. A inatividade física correspondeu à maior fração do valor total (4,6%), seguida pelo não aleitamento materno (4,4%), excesso de peso (2,5%) e consumo de bebida alcoólica (1,8%).

Mortalidade

Em 2019, o Brasil registrou 18.068 mortes por câncer de mama, sendo o principal tipo da doença que leva mulheres a óbito. Projeções do INCA até 2030 apontam para a estabilidade das taxas de mortalidade entre 30 e 69 anos, mas ainda estão bem distantes dos 30% de redução estabelecidos pela Organização das Nações Unidas. Uma das metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável até 2030 é reduzir em um terço das mortes prematuras por doenças crônicas não transmissíveis, entre elas, o câncer.

Se precisa de mais ajuda com esse assunto, converse comigo através de um dos canais abaixo:

Ultrassonografia obstétrica

Dra Claudiani Branco Ginecologista e Obstetra fala sobre a Ultrassonografia obstétrica. Foto em Canva.com.

A ultrassonografia obstétrica usa ondas sonoras para produzir imagens de um bebê (embrião ou feto) que está dentro de uma mulher grávida. Também é possível visualizar o útero e os ovários da mãe.

O ultrassom não usa radiação ionizante, não tem efeitos prejudiciais conhecidos e é o método preferido para monitorar mulheres grávidas e seus bebês em gestação.

Preparação da gestante para o exame

Este procedimento não requer preparação especial.

Uma vez que apenas a área abdominal inferior precisa ser exposta para este exame, você pode usar uma roupa folgada de duas peças.

Fatores como batimentos cardíacos fetais e malformações podem ser avaliados e as medições podem ser feitas com precisão nas imagens exibidas na tela.

Tais medidas formam a pedra angular na avaliação da:

  • idade gestacional;
  • tamanho;
  • crescimento do feto.

A forma como é feito o ultrassom obstétrico pode exigir uma bexiga cheia quando a varredura abdominal é feita no início da gravidez. Com isso, pode haver algum desconforto devido à pressão na região.

O gel condutor não mancha, mas pode dar a sensação de frio e umidade. Não há nenhuma sensação vinda das ondas de ultrassom.

Por que o Ultrassom é usado na gravidez?

Não se trata, apenas, de um momento emocionante no qual você tem o primeiro contato visual do seu filho. O Ultrassom Obstétrico é feito dentro do Pré-Natal, várias vezes ao longo das semanas de gestação, com o objetivo de:

  • garantir que a saúde do bebê e da gestante esteja em ordem;
  • diagnosticar alterações de uma série de características do seu bebê e mais.

Atualmente, a forma como é feita a Ultrassonografia Obstétrica é considerada uma investigação segura, não invasiva e precisa.

Tornou-se progressivamente uma ferramenta obstétrica indispensável e desempenha um papel importante no cuidado de toda mulher grávida.

Os principais usos da Ultrassonografia Obstétrica são:

1. Diagnóstico e confirmação da gravidez

O saco gestacional pode ser visualizado a partir de 4 semanas e meia de gestação e o saco vitelino em cerca de 5 semanas.

O ultrassom também é muito importante para confirmar que a gravidez está dentro da cavidade do útero.

2. Sangramento vaginal no início da gravidez

Um outro uso comum do ultrassom é para casos de sangramento.

Uma vez que o batimento cardíaco é detectado pela ultrassonografia entre a 6ª e 7ª semana, mesmo que ocorra um sangramento, é possível verificar se está tudo em ordem com o feto.

A frequência cardíaca fetal tende a variar com a idade gestacional nas primeiras fases da gravidez. A frequência cardíaca normal na 6ª semana é de cerca de 90-110 batimentos por minuto (bpm) e na 9ª semana é de 140-170 bpm.

3. Determinação da idade gestacional e avaliação do tamanho do feto

As medidas corporais fetais refletem a idade gestacional do feto. Isto é particularmente verdadeiro no início da gestação.

Em pacientes com último período menstrual incerto, tais medidas devem ser feitas o mais cedo possível na gravidez para se chegar a uma data correta para o paciente.

Na última parte da gravidez, a medição dos parâmetros corporais permitirá a avaliação do tamanho e do crescimento do feto e ajudará muito no diagnóstico e no manejo do retardo do crescimento intrauterino (RCIU).
As seguintes medições são geralmente feitas:

  • O comprimento da coroa-nádega (CRL): feita entre 7 e 13 semanas e fornece uma estimativa muito precisa da idade gestacional.
  • O diâmetro biparietal (DBP): é o diâmetro entre os dois lados da cabeça. Isso é medido após 13 semanas.
  • O comprimento do fêmur (FL): mede o osso mais longo do corpo e reflete o crescimento longitudinal do feto.
  • A circunferência abdominal (CA): a medida mais importante a ser feita no final da gravidez. Ele reflete mais o tamanho e o peso fetal do que a idade. Medições em série são úteis no monitoramento do crescimento do feto.

4. Diagnóstico de malformação fetal

A maneira como é feita a Ultrassonografia Obstétrica permite ao médico encontrar alterações estruturais que o feto possa vir a ter.

Elas podem ser diagnosticadas de forma confiável por meio de um ultrassom, e geralmente podem ser feitas antes de 20 semanas.

Exemplos comuns de malformação incluem:

  • hidrocefalia;
  • anencefalia;
  • mielomeningocele;
  • acondroplasia e nanismo;
  • espinha bífida e mais.

Com equipamentos mais recentes, condições como fissura labiopalatina e alterações cardíacas congênitas são mais prontamente diagnosticadas e em uma idade gestacional mais precoce.

Os marcadores ultrassônicos “soft” indicam diferenças cromossômicas, como síndrome de Down.

A ultrassonografia ainda pode auxiliar em outros diagnósticos pré-natal.

5. Localização placentária

A ultrassonografia tornou-se indispensável na localização da placenta e na determinação de suas bordas inferiores.

Outras alterações placentárias em condições como diabetes, hidropisia fetal, isoimunização de Rh e retardo grave do crescimento intrauterino, também podem ser avaliadas.

6. Gravidez múltipla

Nessa situação, a ultrassonografia é inestimável na determinação de:

  • número de fetos;
  • corionicidade;
  • apresentações fetais,
  • presença de placenta prévia e outras análises.

7. Volume do líquido amniótico

Por meio do ultrassom obstétrico é possível medir a quantidade excessiva ou diminuída de líquido amniótico.

Ambas as condições podem ter efeitos adversos no feto. Nos dois casos, uma Ultrassonografia Obstétrica cuidadosa deve ser feita para excluir o retardo do crescimento intraútero e a malformação congênita no feto.

A ultrassonografia também é de grande valor em outras condições obstétricas que devem ser discutidas com o médico que está acompanhando o pré-natal.

Tem mais dúvidas sobre você e seu bebê? Fale comigo pelos canais abaixo:

Gameta feminino e masculino

Dra Claudiani Branco Ginecologista fala sobre os Gametas Feminino e Masculino. Foto em Canva.com.

Gametas são células especiais que contêm a metade do número de cromossomos (23) presentes nas células do organismo. Assim, a fusão de dois gametas tem o potencial de formar um novo conjunto de células (embrião) com o número completo de cromossomos (46), que, por sua vez, têm o potencial de formar um novo indivíduo.

Para que haja uma gravidez, é preciso que ocorra a união dos gametas feminino (óvulo) e masculino (espermatozoide). Mas para que isso efetivamente aconteça, é necessário que os sistemas reprodutores tanto da mulher quanto do homem estejam em perfeito funcionamento.

Distúrbios hormonais, infecções e outras doenças são capazes de prejudicar o desenvolvimento e produção desses gametas, diminuindo sua quantidade e/ou qualidade e, consequentemente, provocando infertilidade.

Óvulos

Os óvulos são produzidos ainda na fase intrauterina, ou seja, quando a menina está se desenvolvendo no útero da mãe. Ao nascer, a mulher já conta com todos os óvulos que terá pelo resto da vida e, ao longo do tempo, a chamada reserva ovariana (“estoque” de óvulos presentes nos ovários) vai diminuindo, até terminar na menopausa, por volta dos 50 anos de idade.

Além de diminuírem em quantidade, os óvulos perdem qualidade com o tempo, por isso a fertilidade da mulher cai com a idade, especialmente a partir dos 35 anos.

Espermatozoides

Diferentemente dos óvulos, os espermatozoides começam a ser produzidos na puberdade, e essa produção segue de forma contínua, até o fim da vida do homem. Algumas doenças e condições, no entanto, podem prejudicar a produção dos gametas masculinos ou seu transporte pelo aparelho reprodutor do homem, afetando a sua quantidade e/ou qualidade.

O que pode prejudicar os gametas?

Tanto homens quanto mulheres podem ser acometidos por doenças ou condições que prejudicam a produção, transporte, qualidade, desenvolvimento ou reserva dos seus gametas. Veja abaixo alguns deles:

Mulheres

Como explicado anteriormente, a reserva ovariana das mulheres diminui naturalmente com o tempo. A quantidade, qualidade e liberação dos óvulos, no entanto, pode também ser prejudicada por outros fatores, entre eles:

  • Endometriomas: os cistos escuros nos ovários causados pela endometriose bem como a cirurgia realizada para removê-los, podem prejudicar a reserva ovariana;
  • Menopausa precoce ou falência ovariana prematura (FOP): alteração que leva ao esgotamento folicular antes dos 40 anos, que faz com que os ovários parem de produzir os hormônios sexuais e que leva à infertilidade;
  • Síndrome dos ovários policísticos (SOP): doença endócrina que pode levar à anovulação (ausência de ovulação) e ciclos menstruais irregulares.

Homens

Nos homens, os problemas relacionados aos espermatozoides podem afetar a produção dos gametas ou o seu transporte. Os principais são:

  • Azoospermia: definida como a ausência de espermatozoides no sêmen, a azoospermia pode ser obstrutiva (quando o problema está em obstruções nos canais que transportam os espermatozoides) ou não obstrutiva (quando a deficiência está na produção dos espermatozoides);
  • Varicocele: varizes nos testículos, que dilatam e prejudicam a circulação sanguínea na região, afetando a produção dos espermatozoides;
  • Orquite: inflamação nos testículos, frequentemente provocada pela caxumba ou infecções sexualmente transmissíveis, que também prejudica a produção dos gametas masculinos.

Mais dúvidas como essa? Converse comigo através dos canais abaixo.

Ovários

Os ovários têm como função a produção dos hormônios sexuais femininos e a produção e armazenamento dos óvulos. Os ovários fazem parte do sistema reprodutor feminino, juntamente com o úterotubas uterinas (antes conhecidas como trompas de Falópio) vagina e vulva. Têm duas funções:

  • Produção dos hormônios sexuais femininos, progesterona e estrogênio;
  • Produção e armazenamento dos óvulos, que são liberados um a cada mês e recolhidos pelas tubas uterinas, enquanto durar a vida reprodutiva da mulher.

São duas glândulas situadas na cavidade pélvica de ambos os lados do útero, logo abaixo das tubas uterinas. Sua Forma se assemelha a uma amêndoa. Em geral, medem 3 cm de comprimento, 1,5 cm de largura e 1 cm de espessura.

Ovulação

A cada 28 dias em média, um dos ovários produz um ovócito, que se fecundado por um espermatozóide dará origem a um embrião humano.

hipófise, glândula localizada na base do cérebro, produz dois hormônios, o LH  e o FSH, que estimulam o crescimento e a liberação de um ovócito (célula germinativa feminina) do ovário. O folículo contendo o ovócito amadurece em cerca de 12 a 14 dias, quando se rompe e libera o ovócito, caracterizando a ovulação, que acontece próximo às franjas da tuba uterina.

O folículo maduro que restou é chamado de corpo lúteo e produz hormônio no ovário durante 14 dias, até começar a se degenerar, se não ocorrer a gravidez. Caso ela ocorra, o corpo lúteo será fundamental para produzir hormônios responsáveis pela manutenção do endométrio propício à gestação.

Tem mais dúvidas sobre esse assunto? Fale diretamente com a Dra Claudiani nos canais abaixo: